Astrologia, o Sobrenatural e o Além

Voltar ao índice

Parte I: Astrologia e Profecia

Pergunta: O que você pensa sobre a astrologia? Existe alguma verdade nas previsões astrológicas?

/Sri Chinmoy: A astrologia é uma ciência. Os buscadores espirituais a chamam de uma ciência interior, uma ciência espiritual. A astrologia é o canto das estrelas. Aquilo que foi decretado e aquilo que está no mundo da manifestação fica gravado nas estrelas. Quando a astrologia lida com o passado, com o que já foi gravado, ela estará quase sempre certa. Mas a astrologia também nos permite ver potencial, e busca predizer o futuro de acordo com o passado. Astrólogos versados são peritos no ato de mergulhar na verdade que há nesse reino. Na maioria dos casos, quando é praticada cuidadosa e cientificamente, a astrologia está absolutamente correta para pessoas comuns que não têm fé em Deus ou em si mesmas.

Contudo, se as pessoas tiverem fé em si mesmas, com essa fé elas podem transcender a astrologia. É por isso que dizemos que a fé muda as coisas através de uma vontade inabalável. Se possuirmos uma vontade inabalável, o destino poderá ser mudado. É verdade, todos os nossos feitos passados estão gravados nas estrelas. No entanto, caso eu queira extinguir o destino, é como apagar algo em um gravador. Eu digo algo e aquilo fica gravado, mas, caso eu queira apagar, eu também posso.

A astrologia será cem por cento correta quando alguém está completamente no mundo físico, levando uma vida humana comum. Quando se entra para a vida interior, para a vida espiritual, a astrologia estará sessenta ou setenta por cento correta. Caso o aspirante esteja consciente ou inconscientemente afinado com o seu ser interior e se o ser interior estiver constantemente afinado com a Fonte, haverá muitas, muitas coisas ruins que poderá evitar. E, por fim, quando se está em comunhão consciente com Deus, a astrologia simplesmente não funciona, porque tudo em sua vida vem diretamente de Deus. Verdadeira unicidade com Deus vai muito além da astrologia. Se dissermos, com a nossa intensa aspiração: “Deus, eu não quero tal coisa”, e se formos um com Deus, Ele então dirá: “Tudo bem, você não precisa passar por isso.” É claro que isso não se aplica a iniciantes na vida espiritual. Apenas aqueles que possuem uma comunicação interior direta com o Ser mais elevado podem se colocar completamente além da influência das estrelas. Todavia, uma pessoa não é uma iniciante para sempre. Com o tempo, o buscador se torna mais e mais avançado na vida espiritual e mais e mais imune às forças do seu passado.

Porém, mesmo se alguém não é um buscador, uma predição astrológica pode ser transcendida. Em um plano mais interior, há sempre uma força mais elevada chamada Graça de Deus. A Graça de Deus pode mudar o destino de qualquer um. Essa Graça é todo-poderosa; ela transmuta as possibilidades ocultas e transcende as leis da astrologia, que são as leis cósmicas de Deus. Às vezes a predição de um astrólogo é verdadeira, mas não acontece devido à Graça divina. É por isso que, quando lida com o futuro, a astrologia só estará trinta e cinco ou quarenta por cento correta. Ao saber que existe algo infinitamente superior às leis astrológicas, devemos ter fé em tal coisa. Portanto, a minha solicitação para os meus discípulos é que não depositem sua fé em horóscopos e quiromancia. Tenham toda a fé em sua aspiração. Se tiverem fé absoluta em sua aspiração e na Graça de Deus, a salvação virá. Vocês não precisam se preocupar com o futuro.

Na Índia existem vários modos de se traçar horóscopos. O método Bhrigu é o mais notável. Ele foi introduzido há milhares de anos atrás e agora existem volumes e volumes de livros escritos sobre ele, com tudo gravado. Você simplesmente mostra o seu mapa ao brahmin, ao astrólogo que lida com esse sistema, e ele virará as páginas bem à sua frente e lhe dirá tudo sobre a sua vida. E normalmente ele estará certo. A história da sua vida está escrita naqueles livros. Se o mapa adequado tiver sido traçado, o astrólogo não precisa fazer o horóscopo. Ela já estará descrita.

O meu irmão mais velho, que é um astrólogo, visitou um outro astrólogo que era familiarizado com esse sistema e que tinha todos os antigos e sagrados livros, onde tudo está escrito. Quando ele mostrou o meu mapa a esse astrólogo, logo o astrólogo disse que depois dos doze anos o meu horóscopo não mais funcionaria. Ele estava absolutamente correto, porque com treze anos eu realizei Deus e fiquei imune a todas as leis astrológicas.

Há mais um incidente relacionado ao sistema Bhrigu que eu gostaria de contar: meu tio materno buscou um astrólogo para que seu horóscopo fosse feito de acordo com esse sistema. Ele e a esposa não tinham nenhum filho. No horóscopo estava escrito que esse casal não teria filhos porque o meu tio, que havia sido um caçador na encarnação passada, havia matado uma fêmea de cervo, que estava esperando um filhote. Durante o seu último suspiro a alma dela orou a Deus dizendo: “Ó Deus, ele matou o meu bebezinho dentro de mim. Por favor, não dê a ele filho algum em sua próxima encarnação.” Deus ouviu as preces dela e o meu tio materno não teve filhos. Após a minha realização, eu me concentrei para saber se essa história da encarnação passada de meu tio era verdadeira e descobri que era, de fato, verídica.

No entanto, isso não significa que tudo o que os astrólogos dizem é verdade. Longe disso. Um dia uma discípula minha veio chorando até mim, porque alguém teria previsto que o pai dela morreria naquele mês. Eu disse: “Bem, se o seu pai deve morrer, ele o fará de acordo com a profecia do astrólogo.” Então eu me concentrei e disse a ela: “Não se preocupe. Eu não estou trazendo a Graça de Deus e nem fazendo coisa alguma. Não estou nem mesmo orando a Deus pelo seu pai, mas a predição está incorreta.” Acreditem em mim, eu não orei ao Supremo para que ele anulasse a profecia do astrólogo, mas o pai dela está são e salvo. A mãe de outro discípulo morreria no dia dezessete ou dezoito de dezembro, de acordo com a previsão dos astrólogos. Aquele discípulo chorou amargamente. Mas eu contei a ele que essa predição também estava errada. E a mãe dele ainda está viva.

Na Índia sabemos de muitos casos onde a astrologia falhou, principalmente em situações envolvendo um ashram espiritual. Os astrólogos podem dizer que quando uma certa criança tiver quatorze ou quinze anos os seus pais falecerão. Entretanto, se os pais aceitam a vida espiritual antes da criança alcançar aquela idade, eles podem viver muitos anos mais. Muitos Gurus transformaram o destino de seus discípulos. Existem muitas dessas histórias na Índia. Por exemplo, um astrólogo disse que uma certa pessoa morreria em dia e hora estipulados. Uma personalidade espiritual, porém, disse-lhe que fosse visitá-la. A pessoa foi e o professor a colocou no chão, cobrindo-a com lama, e depois meditou lá sentado. Quando a hora especificada havia passado, o Guru retirou a lama que cobria o seu novo discípulo e disse: “Agora retorne ao astrólogo e mostre a ele que você ainda vive na Terra”. Existem muitos, muitos casos autênticos como esse.

Crises aparecem em nossas vidas. Às vezes, quando somos bem jovens, nossas vidas ficam em perigo. Contudo, se a Graça de Deus estiver presente, ou se um dos nossos familiares consciente ou inconscientemente orar por nós, poderemos evitar o perigo.

Os horóscopos podem muitas vezes prever que a morte está próxima para uma pessoa; astrólogos mencionam que haverá perigo e que a pessoa morrerá, mas muitas dessas pessoas ainda vivem. E nós possuímos nas palmas das nossas mãos linhas que dizem quantos anos viveremos na Terra. Em alguns casos, qualquer um que conheça quiromancia dirá que a linha-vida de alguém indica, digamos, trinta e dois ou trinta e três anos, mas essa pessoa pode agora estar com setenta e dois ou setenta e cinco anos. Mesmo entre os meus discípulos existem duas ou três moças cujas linhas-vida estão completamente partidas. Se um quiromante lesse as palmas das mãos delas, ele ficaria surpreso ao ver apenas as duas metades, sendo que as moças ainda estão na Terra. Como pode acontecer? Algum poder mais elevado é responsável por isso. Não há nada que não possa ser mudado pela infinita Graça do Supremo.

Pergunta: Qual a sua opinião sobre profecia? O futuro pode ser conhecido com antecedência?

Sri Chinmoy: Quando são feitas predições, às vezes elas se realizam e outras vezes estão simplesmente incorretas. Além disso, imagine que o seu terceiro olho está aberto e você descobre que alguém morrerá amanhã. Se contar a essa pessoa que ela morrerá amanhã, estará fazendo a pior coisa, porque o medo que cria nela imediatamente levará embora toda a alegria, certeza e confiança de sua vida. Durante as suas últimas horas, ela já estará no reino da morte por causa do medo. Ainda que a sua predição esteja correta, a pessoa estará metade morta. Que bem fará contar à pessoa que ela morrerá? Não é provável que disso tenhamos um bom resultado

É muito comum que sejam feitas previsões surpreendentes, positivas, como “você será favorecido”, “você será alguém grandioso”, “você se tornará algo maravilhoso e será aclamado pelo mundo”. Quando previsões desse tipo são feitas, frequentemente vemos a interferência maliciosa de forças hostis. A pessoa que fez a predição pode observar a verdade, mas a sua visão não é a visão do Onipotente; é a visão de alguém que é capaz de ver a verdade, mas não a visão Daquele que pode criar a verdade, que pode manifestar a verdade. Quando uma pessoa comum tem a capacidade de fazer predições, ela sente que criou verdade; mas isso não é verdadeiro. Somente Deus cria a verdade e somente Deus tem o poder de anular a verdade ou transformá-la. Pessoalmente, eu não gosto de predizer coisa alguma, porque muitas vezes estaremos infringindo a Lei Cósmica ao predizer o futuro. Não permitimos que o futuro se expresse da maneira intencionada por Deus.

Uma vez um discípulo foi até o Mestre e disse que um astrólogo havia previsto que ele morreria naquele exato dia. O Mestre se concentrou no discípulo e disse: “Sim, é o destino, mas eu trarei a graça do Todo-Poderoso e serei capaz de salvá-lo”.

O discípulo retornou ao astrólogo e disse: “O meu Mestre disse que a sua previsão não se realizará.”

O astrólogo disse: “Fiz predições centenas de vezes, e todas elas se realizaram. Se a minha predição não acontecer no seu caso, eu me tornarei um discípulo do seu Mestre; porém, se ela ocorrer, o seu Mestre terá de aprender astrologia comigo.”

O discípulo contou o dito ao Mestre, que concordou com a proposta.

O dia passou e nada aconteceu. Então o Mestre explicou ao astrólogo quando este foi até ele: “A sua previsão estava absolutamente correta. Apesar de haver pessoas que fazem previsões incorretas, a sua estava certa. No entanto, eu trouxe abaixo a Graça do Supremo para mudar o destino do meu discípulo.”

Pergunta: Estive lendo recentemente, em jornais e revistas, sobre profecias onde parte do mundo será dissolvida ou afundará no oceano. Existe alguma veracidade nisso?

Sri Chinmoy: O mundo está cheio de imaginação. Deus foi bastante generoso conosco; Ele nos deu imaginação em medida infinita. Nem a Califórnia, nem Porto Rico, nem qualquer outra parte do mundo será dissolvida. É algo simplesmente absurdo e impossível, mesmo que os astrólogos o afirmem. Mas esse rumor causa um grande impacto. No que diz respeito a partes da Terra afundando no mar, sempre há a possibilidade de tal tipo de mudança na superfície da Terra, mas isso não pode ser previsto com precisão pelos astrólogos, pois sempre existem forças operando que eles não podem avaliar.

Mas por que devemos pensar se um dado lugar continuará existindo ou não? Pensemos em nossa própria realização. A realização em Deus é a Meta. Especular se este ou aquele lugar continuará a existir não nos ajudará a alcançar a nossa Meta. Caso possamos permanecer na consciência de Deus, seremos imortais, mas, se ficarmos na consciência da Terra, não o seremos. É a consciência divinizada que nos faz imortais, e não o lugar onde vivemos.

Pergunta: Peter Hirkos, que agora é bem conhecido pelo mundo afora, era uma pessoa comum antes de cair de uma escada próxima da sua casa e bater a cabeça. Quando ele recuperou a consciência, tornou-se capaz de ver o futuro e predizer os acontecimentos. Ele ajuda a polícia a descobrir assassinos e todo o tipo de coisas. O que você acha que aconteceu quando ele caiu e bateu a cabeça?

Sri Chinmoy: Devemos antes saber algo sobre o passado dele. Nesta vida ele é uma pessoa comum, mas ele provavelmente já havia desenvolvido tal poder em suas encarnações passadas. Certa hora ele teve um choque e imediatamente reavivou a sua antiga vida e o poder que tinha em suas encarnações passadas.

Muitas, muitas vezes isso ocorre com as pessoas mais simples: serventes e trabalhadores domésticos. Quando são acometidos por doenças graves, eles recebem todos os tipos de poderes espirituais; todos os seus antigos poderes são revelados. A doença é o último golpe. Chamamos ela de golpe da purificação interior. O golpe serve como purificação interior do ser, da vida deles. Não é um golpe acidental. É uma ocasião utilizada pelos poderes para que venham à tona novamente.

Pergunta: Qual a diferença entre astrologia e Yoga?

Sri Chinmoy: A astrologia não tem o poder de mudar o nosso destino, mas a espiritualidade ou Yoga tem esse poder. A diferença entre a astrologia e a Yoga é que a astrologia apenas indica; ela indica o futuro com base no passado, mas não pode transformá-lo. No entanto, a Yoga pode superar o passado e moldar o futuro. A astrologia faz o seu papel o mais efetivamente até o momento em que se entra para uma espiritualidade mais profunda. Então a astrologia se curva, da mesma maneira que você se curva diante de mim. Antes de aceitarmos a espiritualidade, a astrologia é muito poderosa, como um leão. Então, quando entramos para a vida espiritual mais profunda, ela se torna um pequenino gatinho de estimação.

Pergunta: Guru, certa vez você disse que tentou ajudar três discípulos os quais viu como destinados a morrer. Você disse que com dois deles foi bem sucedido, e que com o outro você ainda não tinha certeza. Do que dependia? Da receptividade da pessoa?

Sri Chinmoy: Em grande parte, da receptividade. Eu estou disposto a oferecer. Se eles puderem receber, ficarão bem; de outra forma, não. Às vezes eles resistem, ou não possuem energia-vida. Se existe ao menos uma pequenina quantidade de energia-vida, e o médico aplica uma injeção, a pessoa poderá reviver. Ao menos haverá uma certa possibilidade e esperança. No entanto, se a pessoa estiver absolutamente morta, que adiantará uma injeção? De modo semelhante, não importará quanto poder se traz das Alturas. Será um caso perdido se a energia-vida da pessoa for por demais limitada.

Pergunta: Existe algum significado caso uma criança nasça durante um eclipse solar ou lunar?

Sri Chinmoy: Um astrônomo ou um astrólogo estariam mais bem preparados do que eu para responder a essa pergunta. Do ponto de vista espiritual, eu gostaria de dizer que uma criança nascida durante um eclipse solar traz ao mundo uma energia tremenda. Caso essa energia não seja canalizada através de caminhos espirituais ainda no início da vida da criança, ela pode causar muitos problemas. A criança pode tornar-se levada e indisciplinada, podendo utilizar essa energia para um propósito destrutivo. Mas se a criança for espiritualmente desenvolvida, ela poderá utilizar essa energia ilimitada para subir às alturas da espiritualidade e fazer o trabalho de Deus no mundo. Contudo, mesmo se a criança não tiver uma tendência para a espiritualidade, sua energia pode ficar perfeitamente equilibrada através da Graça de Deus. Ela também poderá trabalhar construtivamente no mundo.

Uma criança nascida durante um eclipse lunar possui uma índole doce, serena. Caso possua uma tendência à espiritualidade, alcançará a sua meta através de sua personalidade doce e serena e do seu amor pelo Divino. Se a pessoa não for espiritual, pode haver uma tendência à preguiça e sonolência, talvez passando o seu tempo afastada de tudo e em sono interior.

Pergunta: As estrelas nos afetam, a Terra nos afeta e assim por diante. Quando meditamos, nós afetamos, por exemplo, outros planetas ou qualquer outra coisa?

Sri Chinmoy: Depende de quem está meditando. Caso alguém seja um aspirante da mais elevada categoria e a sua meditação esteja dando frutos, frutos sólidos, então ela afeta os planetas; ela entra nos planetas e gera nova vida. Da atmosfera do mundo, a meditação traz ao planeta um tipo de energia sutil. Entretanto, quando um Mestre espiritual medita, a sua meditação pode entrar em qualquer planeta, em qualquer lugar do universo de Deus, caso assim deseje. Um buscador altamente avançado que está à beira da realização também pode afetar os planetas. Quando essas pessoas meditam, elas podem entrar nos planetas, ou mesmo oferecer o resultado de suas meditações aos planetas. Isso acontece quase todos os dias.

Part II: Espiritualidade, poder psíquico, poder oculto e magia negra

Pergunta: O que é o ocultismo e em que plano as forças ocultas existem?

Sri Chinmoy: O ocultismo é uma ciência. O ocultismo é puro quando praticado no físico sutil ou nos planos suprafísicos. Algumas pessoas chamam-no de plano astral, enquanto outros o chamam de mundo vital. Na verdade, é no vital interior que podemos ver a fonte do ocultismo. As forças ocultas são as forças da nossa natureza recôndita. O mundo oculto é o físico sutil, o vital e o suprafísico.

Ao entrar conscientemente e deliberadamente no plano vital, a primeira coisa que acontece é que você é aprisionado pelos seres vitais. Esses seres vitais habitualmente lhe oferecerão parte do seu poder oculto, para que você o utilize. Por algum tempo permitirão que faça uso do poder oculto e, então, buscarão controlá-lo. Esses seres possuem inúmeros desejos tolos, os quais eles tentam satisfazer através do buscador ao qual as forças ocultas foram confiadas.

Se um buscador é genuíno e sincero, e se ele entra nos planos vitais por motivos espirituais enquanto amplia a sua consciência interior, então não haverá perigo, porque o buscador está firme em sua aspiração. Ele quer apenas a expansão espiritual de sua natureza interior e exterior, não dando atenção às chamadas forças ocultas. Entretanto, o buscador que tenha se envolvido com as forças ocultas acaba descobrindo que seu Objetivo é agora uma meta distante e, ao mesmo tempo, percebe que foi impiedosamente capturado pelos seres nos planos vitais. Lá ele está perdido, completamente perdido. Existem muitos, muitos buscadores que começaram suas jornadas com toda a sinceridade, mas que foram pegos pelas forças ocultas durante a caminhada e não puderam alcançar a sua Meta.

Pergunta: Existem muitos livros escritos sobre o oculto. Você sente que eles são de alguma valia?

Sri Chinmoy: Eu estou plenamente consciente que muitos de vocês estudam livros que tratam de ocultismo, mas o meu pedido sincero é que vocês não estudem esses livros a não ser que eles sejam escritos por Mestres espirituais ou almas realizadas. A maior parte dos livros sobre ocultismo são coletâneas de ideias fantasiosas. Meramente estudando livros sobre ocultismo não se obtêm nem mesmo uma gota de poder oculto. Os livros podem ensinar os segredos do ocultismo, mas os poderes podem ser desenvolvidos apenas se buscados interiormente e através da expansão da consciência, ou sinceramente clamando pelo surgimento dessas forças ocultas, esperamos que apenas para o bem do Divino.

Pergunta: Você pode dizer a diferença entre poder espiritual e poder oculto?

Sri Chinmoy: O poder espiritual é muito vasto e luminoso. Ele está constantemente expandindo tanto o finito quanto o infinito. Se algo é pequeno, a vida espiritual o fará maior. Sendo bastante grande, a espiritualidade o fará ainda maior. O poder oculto é de um tipo diferente. Pode-se dizer que é um poder direto, focado, imediato – bastante afiado, como o fio de uma espada.

Quando o poder espiritual é utilizado, ele é todo paz, todo harmonia. Caso alguém esteja aplicando poder espiritual em você, haverá um poder dinâmico, mas ainda assim não há agressividade nele. É como observar o mar quando ele está calmo e quieto. Quando fica turbulento, com ondas, você fica assustado. Porém, quando o mar está em silêncio você não tem medo. Em ambos os casos, o mesmo poder está presente. Quando você entra na consciência do mar, vê que ele tem um poder tremendo, ilimitado. O poder espiritual é uma vastidão silenciosa, infinita, como um mar calmo sem movimentos agressivos. Mas tem um poder sólido – força sólida, dinâmica.

Já no poder oculto, existe um tipo de movimento que é quase sempre desassossegado. Uma criança possui força; um adulto também a possui. O poder de uma criança está sempre se revelando ou manifestando; a criança está constantemente buscando expressar o seu poder. Mas uma pessoa crescida sabe que dispõe de poder e que pode utilizá-lo às suas ordens e, assim, não sente a necessidade de expressá-lo constantemente. Um detentor de poder oculto raramente possui paz, ao passo que um detentor de poder espiritual é inundado de paz. Um detentor de poder oculto faz uma enorme demonstração do seu ocultismo; um Yogi com poder espiritual busca interiormente mudar a face do mundo.

Muitas vezes o poder oculto é utilizado de uma maneira negativa. No ocultismo, você verá que o poder é praticamente como aquele de um animal feroz. Quando pessoas que não são sábias utilizam poder oculto, é apenas para a destruição. Será positivo somente quando orientado por um Mestre espiritual. Possuir poder oculto é como andar na corda bamba – algo perigoso e arriscado. Ter poder espiritual é como caminhar ao longo de uma estrada sólida, onde não há perigo. E, se alguém tem ambos, poder espiritual e poder oculto, também não haverá dificuldade ou perigo. Com poder espiritual seremos bem sucedidos – lenta, constante e infalivelmente. Seremos, sem sombra de dúvidas, capazes de realizar o que nos propomos a fazer. Com o poder oculto, se nós o utilizarmos corretamente, poderemos fazer o que quisermos de maneira direta e imediata. Se a tremenda velocidade do ocultismo sente a necessidade da entrega à luz-sabedoria do poder espiritual, ele se torna uma verdadeira bênção para a humanidade. É uma verdadeira dádiva de Deus, pois a humanidade não tem paciência, ela quer que tudo seja rápido – dito e feito! Todavia, se o ocultismo se colocar contra o poder espiritual, estará negando sua própria verdade. E, quando a verdade é negada, gera destruição na humanidade e para a humanidade.

Caso alguém queira praticar o ocultismo para despertar a consciência da humanidade, precisa primeiro conquistar o medo: medo físico, vital, mental e psíquico. Se esse ocultismo for praticado para servir ao Supremo, à divindade na humanidade, então será necessário conquistar o vital inferior, o qual chamamos de sexual. Esse anseio impuro e obscuro da nossa natureza humana deve ser totalmente superado. E, então, se puder realizar que você mora na Vida Eterna enquanto estiver na vida efêmera, a Infinidade, Eternidade e Imortalidade que alcançar em seu próprio ser interior ou consciência poderão ser usadas para servir à humanidade de uma maneira divina. Nesse momento, o poder oculto será uma verdadeira bênção.

É meu desejo que meus alunos dedicados, que estejam interessados em poder oculto, mantenham isto em mente: primeiro a espiritualidade e depois o ocultismo; primeiro a divindade e depois a humanidade. Alguém poderá servir à humanidade apenas quando conhecer a divindade e conseguir permanecer na divindade. Manifestação sem realização não é manifestação alguma. É como um corpo sem vida. Uma vez que eu tenha alcançado a Meta e me tornado a Meta, tudo estará dentro de mim. Nada poderá me perturbar; nada poderá me destruir; nada poderá de maneira alguma me ferir. Tudo na criação de Deus poderá ser visto, sentido e aceito. A pessoa realizada estará em posição de lidar com ambos: poder espiritual e poder oculto. Após ter realizado a Verdade, enquanto for manifestá-la na Terra, você deverá utilizar a ajuda de todos os planos, incluindo o oculto.

A espiritualidade é muito superior ao ocultismo. A região do oculto e das práticas ocultas também são parte da criação de Deus. Mas nós não precisamos passar através das regiões do oculto se o que buscamos é Realização em Deus. Se alguém quer Deus e Deus apenas, devo dizer que o ocultismo não conseguirá ajudar em nada na sua Realização em Deus. No entanto, a espiritualidade é absolutamente necessária para se realizar Deus.

Um verdadeiro aspirante espiritual não se interessa realmente por ocultismo. Mas no seu caminho em direção ao Altíssimo, o poder oculto às vezes automaticamente vem até ele como um teste, para ver se esse poder realmente o impressionará, fazendo-o mostrar ao mundo a sua capacidade de fazer milagres, ou se o utilizará de maneira adequada e divina. Ocasionalmente, quando o aspirante está à beira da realização, poderes ocultos de vários planos de consciência vêm e tocam seus pés, dizendo: “Mestre, utilize-nos. Estaremos a seu serviço; não criaremos nenhuma desordem. Apenas nos utilize para a plenitude da sua realização.” Isso aconteceu com vários Mestres espirituais.

Eu utilizei poder oculto muitas e muitas vezes, mas apenas quando fui requisitado a fazê-lo pelo Supremo em mim. E eu o utilizo apenas para ajudar interiormente. Fico relutante em utilizar o meu poder oculto exteriormente, pois serei mal interpretado. Além disso, nunca o utilizarei para punir ou torturar alguém. O poder oculto é bastante dinâmico, mas as pessoas não costumam adquirir dele o dinamismo. Elas adquirem, ao invés disso, a agressividade, e usam esse poder agressivo para ferir outros ou satisfazer seus desejos pessoais.

Poder oculto por si só não é ruim. Algumas pessoas dizem que, quando uma pessoa recebe poder oculto, ela enganará os outros e arruinará a si mesma. Na Índia, algumas personalidades espirituais simplesmente não buscam poder oculto. Mas o poder em si não é ruim. Ele é tal qual a maneira como você o utiliza. Se você tiver fogo, você pode se queimar ou pode cozinhar alimento. Se tiver uma faca, pode ferir alguém ou pode esculpir uma bela estátua. Até certo ponto, é verdade que, se você não tiver uma faca, é claro que não poderá fazer nada de ruim. Mas existem muitas coisas boas que não será capaz de fazer. Somos nós que devemos utilizar o poder oculto sabiamente, se e quando o obtivermos.

Alguns Mestres espirituais recomendam aos seus alunos que não lidem de forma alguma com as forças ocultas e que pratiquem primeiro a vida espiritual. Eles obterão então poder espiritual, o qual nunca criará problemas. Pela sua própria natureza, o poder espiritual não tem aquela qualidade agressiva ou destrutiva que o poder oculto tem. Mas mesmo o poder espiritual pode ser utilizado inadequadamente, caso não se ouça os ditames do ser interior ou do Supremo.

Também existem aspirantes espirituais que praticam a espiritualidade juntamente com o ocultismo. Dizem que durante o dia deve-se praticar a espiritualidade e que durante a noite deve-se praticar o ocultismo. Deixar que a espiritualidade e o ocultismo andem lado a lado é um caminho um pouco perigoso. Muitos tentaram, e a maior parte deles falhou em combinar ambos de forma adequada. A maneira mais segura e mais efetiva é lançar-se na vida espiritual e ampliar a consciência até o Infinito e a Eternidade. Você terá então maestria completa no mundo oculto.

Se um Mestre espiritual tem a capacidade de utilizar poder espiritual, você poderá indagar se ele é capaz de utilizar também poder oculto sem cometer erro algum. A resposta é não. Quando um Mestre espiritual utiliza poder espiritual, normalmente ele o utiliza bem. Mas quando falamos de poder oculto, não é que o Mestre o utilize inadequadamente; na verdade, ele pode apenas não saber como lidar com isso. Quando o Mestre não é do maior calibre, há um tremendo conflito entre poder espiritual e poder oculto. Se isso acontecer, o que deveria ele fazer? Deveria descartar completamente o seu poder oculto. Ele deveria dizer: “Eu não o quero. É muito perigoso. Utilizarei apenas poder espiritual, o qual é um infinito mar de Luz e Felicidade. Essa Luz e Felicidade é poder suficiente para mim.”

Caso você pratique Kundalini Yoga apenas um pouco – digamos, quinze minutos diariamente –, juntamente com a sua verdadeira meditação e aspiração, verá que os seus centros psíquicos ou do oculto estarão se abrindo. No entanto, se tiver entrado para a vida interior apenas para obter poder oculto e mostrar ao mundo a sua capacidade, a sua vida nunca despertará para a verdadeira espiritualidade. Se quiser abrir o seu chakra cardíaco e demonstrar milagres para que as pessoas o apreciem ou admirem, e se acha que receberá mais inspiração através do apreço e admiração deles, estará cometendo um engano. Em outros assuntos, quando você faz algo e é exaltado aos céus, pode ser que receba mais inspiração para fazer ainda melhor. Mas nesse caso não é assim. Se mostrar um pouco do seu poder oculto e os outros demonstrarem apreciação, você pode ter certeza de que será o seu fim. Não ficará inspirado; pelo contrário, ao invés de buscar profundamente o seu interior para obter a verdadeira realização, você continuará aumentando o seu poder oculto. O poder oculto é todo tentação.

Quanto mais você demonstrar poder oculto, mais rápido o perderá, porque não terá sido capaz de se tornar um com a fonte. A fonte do poder oculto é a Luz – bastante limitada, mas ainda assim, a mais pura Luz. Se for lidar com Luz, então deveria lidar com a Luz espiritual. Se ela for limitada, não haverá mal nisso, pois não criará perigo algum. Poderá ser que fique com dor de cabeça se invocar muita Luz, mas ela não o destruirá. Mesmo se você trouxer poder espiritual além da sua capacidade, ele não o destruirá completamente. Porém, se atrair para o seu organismo poder oculto além da sua capacidade, você acabará num asilo psiquiátrico. Ele é perigoso e destrutivo a tal ponto.

O nosso primeiro desejo deveria ser agradar ao Supremo. Para agradá-Lo, devemos oferecer a Ele toda a nossa aspiração e colocar tudo a Seus Pés. Uma vez que tivermos agradado ao Supremo, então Ele é quem decidirá se receberemos Dele poder espiritual ou poder oculto, ou ambos. Caso Ele queira nos dar poder espiritual, tudo bem. Caso Ele queira nos dar poder oculto, tudo bem. Se nos entregarmos à Sua Vontade e Ele nos conceder poder oculto, podemos ficar tranquilos, pois Ele também nos dará a capacidade para utilizar esse poder de forma adequada, para Ele.

Se quiser agradar ao Supremo à sua própria maneira, você fará muitas coisas que não são sinceras para agradar a Ele. Buscará agradá-Lo a ferro e fogo. Se a sua natureza não for pura, poderá chegar ao ponto de tentar bajulá-Lo ou chantageá-Lo. Porém, se a sua natureza for pura, absolutamente pura, puríssima, você buscará agradá-Lo da maneira que Ele quer ser agradado. Se puder fazer isso, se puder agradar a Deus à maneira própria Dele, todo o poder oculto e todo o poder espiritual estarão a seus pés, servindo a você.

O mundo precisa agradar a Deus. Agradando-O, o mundo se tornará pronto para a iluminação. Mas ele está perdidamente se encaminhando ao desapontamento, pois clama por poder. Se o mundo quisesse o Amor de Deus, nessa altura já teria sido salvo, iluminado, aperfeiçoado e imortalizado.

Pergunta: Você poderia, por favor, explicar o que é poder psíquico e de que maneira ele difere do poder espiritual?

Sri Chinmoy: Poder psíquico é normalmente o poder que uma criança tem através da sua completa e constante unicidade com os seus pais. Ela clama as posses interiores de seus pais como sendo suas. E nem é preciso dizer que esse clamor possui fundamento. Os pais, por sua vez, obtêm tremenda alegria em perceber e observar que o seu filho depende completamente deles para a sua revelação e manifestação. Poderes psíquicos não são invencíveis. Eles podem ser e frequentemente são atacados por forças não-divinas. No entanto, o Supremo sempre toma o lado do ser psíquico, que incorpora o poder psíquico, e o salva.

É claro que o ser psíquico, com seu poder psíquico, irá, por fim, se tornar um ser mais poderoso e completo. O ser psíquico evolui, e o aumento gradual de poder psíquico não apenas é possível, mas também inevitável. A manifestação de poder psíquico é um modo sutil, delicado, suave e lúcido de manifestação divina em buscadores bem avançados.

Com o poder psíquico, um indivíduo pode realizar milagres. Com ele, é adquirida a capacidade de se identificar com, e portanto ver, o presente, passado e futuro dos outros, assim como o próprio. Apesar de ser uma manifestação do poder divino, o poder psíquico possui uma beleza tremenda, tal como a beleza de uma flor ou a beleza da lua. Essa beleza psíquica, em si mesma, é um poder tangível.

A grosso modo, o poder psíquico é o poder de uma criança, podendo, no entanto, se tornar ilimitado através da sua mais íntima unicidade com a Fonte. O poder espiritual é o poder de um adulto, mesmo que ele não possa utilizá-lo sabiamente todo o tempo. O poder oculto é o poder de um jovem inquieto ou dinâmico. O poder espiritual é o poder de um mar calmo e sereno. O poder oculto é o poder de uma intensa e repentina onda. O poder espiritual não costuma ser tão rápido quanto poder oculto. Mas o poder oculto costuma destruir ao invés de construir. O poder espiritual sempre dá importância à edificação do Palácio da Verdade, de maneira lenta, constante, certa e convincente. O que quer que o poder espiritual faça é seguro, sólido e duradouro. O poder espiritual possui uma confiança que vem de dentro e uma garantia que vem das Alturas. Para a completa manifestação da divindade na Terra, todos os poderes psíquicos e todos os poderes ocultos devem seguir a liderança do poder espiritual, de maneira que possam alcançar o Absoluto Supremo.

Pergunta: Disseram-me que estou em vias de desenvolver poderes psíquicos. Eu deveria continuar visitando centros espiritualistas com essa meta?

Sri Chinmoy: No seu caso, gostaria de dizer francamente que não seria sábio desenvolver essas faculdades psíquicas agora. Por quê? Porque eu posso ver em seus olhos que você é uma pessoa bastante sincera. Não deveria ficar satisfeita com esses poderes psíquicos. A sua alma quer ir em frente, adiante, além. Existem pessoas que não têm a aspiração para seguir ao Mais Elevado, ao Definitivo. Estão satisfeitas com lascas de poder psíquico e não querem ir além. Eu poderia recomendar que certas pessoas desenvolvessem as suas faculdades psíquicas. Mas no seu caso, se desenvolver essas faculdades, elas serão um empecilho e você não será capaz de ir além e alcançar o Definitivo em sua vida. É você quem deve fazer a escolha: se quer ficar satisfeito com uma pequena guloseima ou se quer esperar pela Verdade infinita, o infinito Tesouro do Todo-Poderoso.

Se você for dotado com algumas faculdades psíquicas, ao tentar usá-las, logo ficará encantado com elas. É muito comum que as pessoas ao receberem um pouquinho de capacidade psíquica, sintam-se satisfeitas e tentem utilizá-la nessa e naquela pessoa, a toda hora. É como uma criança que possui brinquedos fascinantes e brinca com eles o tempo todo. Ela negligenciará os estudos e acabará se tornando um tolo. No entanto, se a criança for sincera ou honestamente dedicada e der valor aos seus estudos, ela deixará de brincar e começará a estudar, porque sabe que precisa estudar para se tornar uma pessoa de sabedoria.

Um outro problema dessas faculdades psíquicas é que elas geralmente são ameaçadas por espíritos. Aqueles que desenvolvem as faculdades psíquicas podem não ser fortes, do ponto de vista espiritual ou ocultista. As faculdades psíquicas vêm do mundo psíquico. Elas são muito sutis, suaves, ou, por assim dizer, delicadas, e frequentemente são ameaçadas por poderes ocultos, que podem ser muito ferozes, dinâmicos, arrogantes e destrutivos. Os espíritos famintos e insatisfeitos tentarão penetrar nas faculdades psíquicas do aspirante e levar embora toda a aspiração que ele tinha antes de interromper a sua vida espiritual para desenvolver seus poderes psíquicos. Mas, quando alguém faz verdadeiro progresso espiritual, progresso interior, sem se preocupar com capacidades psíquicas, essa pessoa irá sem dúvida obter todas essas faculdades ao final da sua jornada, após ter realizado Deus.

Você nunca sairá perdendo se não der atenção a essa capacidade psíquica, porque ela se desenvolverá automaticamente quando todos os seus centros se abrirem durante a sua meditação profunda. Para alcançar esta meditação, você deverá buscar um Mestre espiritual Deus-realizado que possa ensiná-lo individualmente e que possa também protegê-lo do ataque das forças ruins.

Para ser franco com você, neste exato momento existem quatro forças que o estão atacando constantemente. Eu peço que você seja muito cauteloso com essas forças. Elas já estão pairando ao seu redor. E não são bondosas. São forças não-divinas. Se por um lado, as suas faculdades psíquicas estão sendo reveladas, ou estão a ponto de serem reveladas; por outro lado, existem forças, forças negativas, que estão tentando destruí-lo. Procure buscar o seu interior mais profundo. Clame interiormente pela proteção de Deus e pela iluminação de Deus, e as quatro forças o deixarão. Elas serão obrigadas a deixá-lo.

Pergunta: Os poderes psíquicos são benéficos, ou são, de certa forma, um empecilho para se realizar Deus?

Sri Chinmoy: O poder psíquico não nos ajuda de maneira alguma a realizar Deus. Porém, o poder psíquico pode ser utilizado, deve ser utilizado e precisa ser utilizado caso seja a Vontade do Supremo, após Deus nos haver concedido a realização. Um dos grandes Mestres espirituais da Índia, Sri Ramakrishna, costumava dizer que adquirir poder psíquico é destruir a possibilidade da auto-realização. Ele dizia que você poderia conquistar poder psíquico, mas Deus, no entanto, lhe seria negado.

Quem é o possuidor de todos os poderes? Deus. Quando nos tornamos um com o Possuidor, todas as suas posses imediatamente passam a ser nossas. Porém, se clamarmos pela posse sem buscar o Possuidor, a conquista será um empecilho na nossa jornada em direção à Meta derradeira. É uma verdadeira bênção não possuir os poderes psíquicos antes da realização maior. Caso os obtenhamos muito cedo, passaremos todo o tempo no mundo do exibicionismo, no mundo dos milagres, no mundo da magia, e não no mundo da aspiração, dedicação e realização.

O maior discípulo de Sri Ramakrishna, Swami Vivekananda – que antes se chamava Naren – foi certa vez indagado pelo seu Mestre: “Naren, eu pratiquei austeridades por muitos anos; olhe agora para mim – eu possuo todos esses elevados siddhis. Você gostaria de ficar com eles? Você não precisa meditar, porque eu já o fiz por você. Darei a você todos os meus poderes.” A resposta imediata de Naren foi: “Esses poderes me ajudarão na minha realização?” O Mestre respondeu: “Não, meu querido Naren, não o ajudarão. Para a realização, os poderes psíquicos não contam. Mas, se quiser, poderá utilizá-los após a auto-realização. E, se tiver esses poderes psíquicos, naturalmente as pessoas congregarão ao seu redor e você terá mais capacidade de servir a Deus na humanidade.” Diante disso, o discípulo disse: “Não, obrigado. Deixe-me realizar Deus primeiro. Só então pensarei em adquirir esses poderes psíquicos.” Ramakrishna então, diante de seus outros discípulos, abençoou profundamente o seu mais querido discípulo e disse: “Eu sabia. Era você quem poderia passar no meu teste. Se eu tivesse feito a mesma pergunta a qualquer outra pessoa, como alguém ganancioso ela diria: ‘Sim, sim, por favor, dê a mim os seus poderes. É muita bondade sua.’ No entanto, eu sabia que o seu coração era absolutamente puro. Você quer Deus, Deus somente.”

Pergunta: Na Índia, os faquires que possuem tal tipo de poder os dedicam aos bons princípios da Yoga ou os utilizam para fazer negócios?

Sri Chinmoy: É certo que muitos se desviaram do caminho da verdade. Para aqueles que assim procederam, o poder psíquico que possuem é como magia negra. Não serve a nenhum propósito espiritual. Se alguém está doente e Deus diz a você que deve curá-lo, ou se alguém está sob perigo iminente e Deus quer que você o salve, nesse caso você deveria utilizar os seus poderes psíquicos. O poder psíquico deveria ser usado apenas quando requisitado ou aprovado por Deus. A maior parte das pessoas que estão utilizando esses poderes, na Índia e em outros lugares, não o faz de acordo com a Vontade de Deus. Apenas satisfazem o próprio orgulho, ego e vaidade. Elas agem contra a Lei de Deus. Cometem um engano terrível, e a punição será muito severa na próxima vida.

Pergunta: É verdade que os poderes psíquicos não se desenvolvem ou não se manifestam espontaneamente nos Yogis, mas devem ser desenvolvidos através de exercícios ou outros meios?

Sri Chinmoy: Existem sete centros psíquicos principais no nosso corpo. Eles não estão no físico, mas sim no corpo sutil. Na coroa da cabeça está um centro, chamado Sahashara, o lótus de mil pétalas. Um pou-co acima do ponto entre as sobrancelhas fica a sede da visão, o centro chamado Ajna chakra. Na base da garganta se localiza o chakra da fala e exteriorização. Chamamos ele de Vishuddha. No centro do peito está o Anahata, o chakra do coração, e mui-tas pessoas obtêm grande parte dos seus poderes psíquicos daqui. No umbigo está o Manipura. No baço há outro centro, o Svadhisthana. E abaixo, na base da coluna, temos o chakra chamado Muladhara. Muladhara, Svadhisthana, Manipura, Anahata, Vishuddha, Ajna e Sahashara: são esses os sete chakras.

Quando um buscador consciente ou inconscientemente se concentra nesses centros, ele desenvolve poder psíquico. Ele pode não saber o nome do centro, mas caso se concentre no lugar cor-reto, automaticamente irá adquirir algum poder intuitivo. Para abrir os chakras e fazer com que a Kundalini comece a funcionar, você deve se concentrar em cada chakra. Essa é uma maneira de adquirir poder psíquico, através de disciplina espiritual. Especialmente no ocidente, escuto muitas pessoas dizerem que fulano tem poder psíquico ou que fulana tem poder psíquico, mesmo que tal pessoa não tenha uma gota de poder. Algumas pessoas recebem um leve sentimento intuitivo vindo do plano da intuição ou da mente física, onde há intuição sutil, e afirmam possuir poder psíquico. Mas não é tão fácil adquirir poder psíqui-co. Deve-se trabalhar duro para obtê-lo.

Caso um Guru ou Mestre espiritual queira, ele poderão injetar aquele poder em você, sem que você precise meditar ou praticar Kundalini Yoga. A capacidade de conceder esses poderes é um privilégio de Mestres espirituais; mas tudo depende da Vontade de Deus. Se Deus quiser lhe dar poderes psíquicos, durante o sono você receberá um tipo de mantra que lhe for adequado. A figura ou ser que aparecer no sonho, lhe dirá então quantas milhares de vezes você deverá repetir aquele mantra específico. Não será necessário se concentrar em um centro específico. Você precisará apenas repetir aquele mantra um certo número de vezes e logo obterá poderes psíquicos. Isso acontece até mesmo no caso da realização. A maior parte das pessoas realiza Deus praticando a espiritualidade por toda a vida, mas existem algumas pessoas que simplesmente não precisam praticar a vida espiritual. Em um sonho, Deus entra na pessoa e ilumina a sua consciência, e qualquer um dotado de visão espiritual verá que aquela pessoa estará liberta e realizada.

Da mesma forma, nem sempre é necessário clamar conscientemente por poder psíquico. Quando alguém se torna um Yogi, os seus centros normalmente se abrem de forma espontânea, e o poder psíquico aparece automaticamente. Mesmo que alguém não esteja buscando poder psíquico, ele frequentemente aparece quando se está avançando rápido, muito rápido, em direção à meta. Se o poder oculto vier como uma benção e não o impedir de manifestar sua divindade interior, então não haverá nenhum mal nisso. Porém, caso o poder se coloque como uma maldição ou um obstáculo, caso faça com que alguém sofra tentação, ou caso faça com que a pessoa perca a sua velocidade ou se desvie do caminho, ela deverá então corajosamente rejeitar o poder e concentrar-se em alcançar sua própria meta, antes de tudo.

Pergunta: Você chamaria a habilidade de se comunicar diretamente com o Mestre espiritual sem a utilização da fala uma forma de poder psíquico?

Sri Chinmoy: O poder psíquico não é necessário para contatar o Mestre espiritual. Isso é feito através de devoção, de fé implícita. Onde está o Mestre? Você está aqui em Porto Rico e diz que o seu Mestre talvez esteja em Nova Iorque. Mas não está! Ele está no fundo do seu coração, nos mais íntimos recessos do seu coração. Caso queira contatar o seu Mestre a qualquer hora, apenas adentre as profundezas do seu coração e você o encontrará.

Não é necessário o poder psíquico, mas apenas devoção e fé. Quando você tem devoção, o Mestre ou a pessoa para qual você está rezando estará às suas ordens. Sri Krishna, o mais notável Mestre espiritual da Índia, disse: “É fácil para Deus conceder Po-der, Luz, Felicidade Suprema e todas as outras qualidades divinas a um discípulo. No entanto, se Ele der ao discípulo devoção, que também é uma benção divina, este terá capturado Deus. No mo-mento que o discípulo recebe devoção, ele pode estar certo de que o Mestre se tornou seu perfeito escravo. Um devoto verdadeiro é algo muito, muito raro nesse mundo. Um homem de conheci-mento e sabedoria, um homem de luz ou um homem de paz, no entanto, podem ser encontrados mais frequentemente."

O Senhor Krishna tinha um discípulo chamado Vidhura, que era muito próximo e muito, muito pobre. Um dia, o Senhor Krishna fez uma visita à sua casa. Vidhura não podia oferecer a ele arroz ou qualquer outra refeição adequada e, então, serviu a Sri Krishna uma refeição muito simples sobre folhas de bananeira. O coração de Sri Krishna nadou no mar de êxtase e deleite. O que ele fez? Primeiro comeu a refeição, e depois a folha de bananeira. Vidhura perguntou: “Mestre, o que está fazendo? Você está comendo a folha de bananeira. Isso não é comida!” Sri Krishna disse: “Ó Vidhura, como posso separar a sua comida da folha de bananeira? Como posso separar a sua devoção da sua existência? Na sua refeição eu vejo devoção, no seu corpo eu vejo devoção, no seu coração eu vejo devoção, na sua folha de bananeira eu vejo devoção. O que quer que eu veja com você, ao seu redor, e em você, é tudo devoção. Eu não posso separar a refeição da folha mais do que posso separar a sua alma do seu corpo.” É isso o que acontece quando se tem ver-dadeira devoção a Deus, ao Supremo. O Supremo ficará sempre do seu lado.

Agora eu gostaria de dizer algo sobre a fé. Estou certo de que todos vocês ouviram falar sobre o Ganges, o rio mais sagrado da Índia. É dito que qualquer um que mergulhe no Ganges ficará livre de todos os pecados. Durante o ano você pode cometer todo o tipo de pecado, e simplesmente entrando no rio todos esses pecados desa-parecerão. Essa é a nossa crença indiana. Quão estúpidos nós so-mos, só Deus sabe. Um dia Parvati perguntou ao seu consorte, o Senhor Shiva: “É verdade que se um homem der um mergulho no Ganges todos os seus pecados desaparecerão num piscar de olhos? As pessoas possuem tal fé?” O Senhor Shiva disse: “Bem, se eu a demonstrasse seria melhor. Veja, ambos tomaremos forma huma-na e sentaremos às margens do Ganges. Eu serei um homem idoso e você será uma mulher idosa. Você terá no seu colo um bebê, e eu tomarei a vida desse bebê. Imediatamente você começará a derra-mar lágrimas amargas e gritará, dizendo que perdemos o nosso único filho. Muitos virão para consolá-la, e você dirá a eles: ‘Se o meu filho for abençoado por uma pessoa que sente que não possui pecados, ele retornará à vida.”

Dessa forma, eles tomaram forma humana e sentaram-se às mar-gens do Ganges. Centenas vieram nadar e se banhar no rio. Parva-ti disse: “Todos vocês sabem que no momento que entrarem no Ganges todos os seus pecados não mais existirão. Portanto, dêem um mergulho, depois voltem e abençoem o meu filho, e ele retor-nará à vida.” Centenas de pessoas passaram por lá, mas ninguém quis fazer isso. Eles estavam prontos para nadar, prontos para dar um mergulho ou até mesmo se banhar no Ganges por horas, mas sabiam que não teria efeito na criança. Eles tocariam a criança, mas ela não voltaria à vida. E assim foi por horas a fio. Por fim, entre os passantes viu-se um homem de meia idade aproximando-se da senhora que havia perdido o único filho. Ele havia acabado de sair de um bar. Tinha um cheiro muito desagradável e, de acordo com os padrões indianos, ele era o que chamaríamos de um “sem cará-ter”. O homem veio até ela e perguntou: “Por que está chorando?” Ela respondeu: “Estou chorando porque ninguém veio abençoar a minha criança, mesmo sabendo que, no momento em que uma pessoa se banhar no Ganges todos os pecados irão embora, e ela será capaz de trazer o meu filho de volta à vida.”

“Você está chorando por causa disso? Eu tenho fé. Eu irei”, o homem disse. Então, pulou no Ganges, e em poucos minutos voltou e tocou a criança. Ela retornou à vida imediatamente. Então o Senhor Shiva disse: “Veja só! Dentre milhares apenas uma pes-soa tinha fé no Ganges!” E com isso, o Senhor Shiva, Parvati e a criança desapareceram.

Sempre que fazemos algo, dizemos que temos fé, mas estamos apenas nos enganando. Aquele homem nunca se importou com a vida espiritual, mas sabia que o Ganges, na verdade, veio dos Hi-malaias. Todos os Mestres espirituais da Índia possuem enorme admiração pelos Himalaias, e a maioria dos Videntes Védicos indianos meditou naquelas cavernas. O homem tinha fé ilimitada no Ganges. Muitos de nós teríamos ido ao Ganges, mas não tocaríamos a criança, porque ninguém gostaria de ser motivo de riso. Quando as coisas vem ao nível da vida prática, a maioria de nós falha. E quase todos dentre nós, que chegassem a ponto de tocar a criança, não seriam bem sucedidos, por falta de fé verdadeira no Ganges. Porém aquele homem possuía fé no Ganges. Se tivermos fé verdadeira em Deus, não precisaremos meditar vinte e quatro horas por dia; apenas alguns minutos serão suficientes. Caso tenhamos aquela fé plena de alma em Deus, Ele tomará conta de nós.

Pergunta: É possível que algumas pessoas estejam praticando um ocul-tismo negativo sem perceber, meramente através de conversas malici-osas e outras coisas?

Sri Chinmoy: Qualquer força, positiva ou negativa, cria imediatamente um mundo próprio. Cada vez que liberamos uma ideia, estamos cri-ando um mundo próprio. Mas se dissermos que, ao utilizar pensamentos negativos estaríamos praticando ocultismo, isso estaria totalmente errado. De mesma forma, ao utilizar pensamentos positivos, não estaríamos criando uma vida espiritual mais elevada.

A negação e a destruição estão presentes quase sempre no insatisfei-to mundo vital, onde frequentemente é praticado o ocultismo. A afirmação positiva e a vontade unidirecionada para a revelação e manifestação da própria divindade são sempre realizadas no mun-do interior ou no mundo psíquico. Portanto, devemos saber como e por que estamos utilizando tais poderes.

Pergunta: Estamos perdendo algo por não nos desenvolvermos no mundo do ocultismo?

Sri Chinmoy: Não estamos perdendo nada, pois é o mundo espiritual que nos concederá a mais elevada realização. Se vivermos no mundo interior, no mundo espiritual, automaticamente teremos a sua riqueza incalculável. E descobriremos que as forças ocultas e todas as outras forças residem lá. Portanto, não perdemos nada por não nos concentrarmos no mundo do ocultismo.

Pergunta: Eu pensava que o ocultismo fosse algo como a magia negra. Você poderia explicar o que ele é?

Sri Chinmoy: Yes. Sim. De um ponto de vista inferior, o ocultismo é magia negra. De um ponto de vista de maior pureza, ele é o aspecto dinâmico da Força Divina, a Força Universal. Quando o ocultismo é praticado para destruir a harmonia universal de Deus, ele é chamado de magia negra. A magia negra lida tipicamente com a impureza e escuridão da nossa natureza. O ocultismo puro, o verdadeiro ocultismo, não tem nada a ver com magia negra ou praticantes de magia negra.

Sei de uma mulher em Miami que utilizou magia negra para fazer com que a sua irmã desse à luz a um filho morto. A mulher não tinha esse poder e foi até um praticante de magia negra no Haiti, que exerceu o seu poder. Ele criou todos os tipos de problemas, utilizando o poder oculto estando lá no Haiti. A irmã sofreu de muitas doenças as quais os médicos não conseguiam curar. Ela terá de ir até o Haiti e implorar a esse praticante de magia negra para que a ajude a sair das dificuldades criadas por sua própria irmã.

Em Manhattan, tivemos dois ou três casos desse tipo de magia negra. A irmã de um discípulo foi para o Haiti. Depois disso, o seu esposo não podia andar, pratos de comida caiam enquanto ele os segurava e muitas outras coisas aconteceram. Tudo por conta do poder oculto. O esposo foi ao consulado da Índia para meditar comigo. Ele até chegou a ir à minha casa uma ou duas vezes para me visitar. Ficou curado e então foi embora.

No mundo do ocultismo, os praticantes comuns brigam como cães e gatos. Até pior, porque cães e gatos ficam cansados. Ocultistas comuns meditam, obtêm um pouco de poder, e, ao invés de seguir o caminho correto, espiritual, eles utilizam esse poder para tentar roubar o poder de outros ocultistas.

Um praticante de magia negra não poderá nunca ferir uma pessoa espiritual, que seja realizada, ou que tenha poder espiritual. No entanto, uma pessoa espiritual realizada tem o poder para ameaçar os ocultistas e praticantes de magia negra, apesar de normalmente não o fazer. Quando uma pessoa espiritual utiliza o ocultismo, ela o faz de uma maneira divina. Se ocorrer um ataque importante, no qual alguém possa abandonar o caminho espiritual ou sofrer um acidente sério na sua vida interior ou exterior, eu utilizarei imediatamente o poder oculto, caso o Divino queira que eu seja o instrumento que auxiliará aquela pessoa. Isto se chama poder oculto puro.

Na Índia, praticantes de magia negra tentaram muitas vezes punir Mestres espirituais ou destruir o poder espiritual deles. O resultado é que eles tiveram de render todos os seus poderes de magia negra aos Mestres espirituais. Muitas vezes os ocultistas tentaram roubar os poderes de Mestres espirituais que estavam dormindo. Os Mestres descansam por duas ou três horas, às vezes sem mes-mo dormir. Quando perdem a consciência, eles não mantêm conexão alguma com o físico. Nesse momento, o ocultista pode entrar no Mestre espiritual e tentar roubar o seu poder espiritual. Mas esses ocultistas são tolos, porque os Mestres espirituais estão sempre sendo guiados e protegidos pelo Onisciente e pelo Onipotente. Os ocultistas perdem e têm de entregar todos os seus poderes ocultos para os Mestres espirituais. E então eles choram e choram. Alguns desses ex-ocultistas são agora discípulos dos Mestres espirituais que tomaram os seus poderes. Certos praticantes de magia negra que buscaram torturar Mestres espirituais perderam as suas tendências não-divinas e malignas, se tornando praticantes de magia branca. Eles encontraram uma pessoa que era toda com-paixão e foram salvos.

No final de 1963, um ocultista indiano muçulmano de Hydera-bad veio até Pondicherry. Ele era um ocultista, astrólogo e prati-cante de magia negra combinados. Um amigo bastante íntimo, um admirador meu, disse: “Como eu gostaria que você viesse e visse aquele ocultista.” Eu disse: “Eu não tenho vontade de ver um ocul-tista. Se ele é um ocultista, eu não irei.” Mas o meu amigo foi per-sistente em seu pedido, e eu fui ver o ocultista no hotel onde ele estava. Quando me dirigi ao seu quarto, apenas fiquei na porta, e o ocultista estava sentado em uma cadeira. O que ele viu nos meus olhos só Deus sabe. Mas ficou tão chocado que afundou na mesa e não pôde abrir os olhos por cinco minutos. Ele não podia olhar nos meus olhos. E chorava e chorava, como se alguém tivesse aca-bado de salvar a sua vida. Então ele se levantou e veio até mim de mãos postas, e disse: “Você veio neste momento da minha vida. Deus me deu poderes ocultos, mas eu os utilizei apenas para con-seguir mulheres e vinho. Usei-os para que as pessoas me aprecias-sem, admirassem e tocassem os meus pés. No entanto, eu vejo em você uma verdadeira torrente de poderes espirituais.”

E então, o que fez? Ele me disse: “Eu não mereço tocar os seus pés, mas os tocarei apenas para ser perdoado, apenas para ser abençoa-do.” Ele tocou os meus pés e demonstrou a sua devoção de muitas outras formas.

Quando um Mestre espiritual fica diante de um ocultista, se o ocultista for sincero, ele simplesmente chorará. Verterá lágrimas por causa da maneira com que abusou do poder. A vida espiritual é inundada de pureza e paz, e essa paz e pureza podem facilmente dissolver todos os venenos do mundo oculto.

Pergunta: Guru, você disse que seres nos planos ocultos podem utilizar o poder oculto de uma forma que pode causar mal a seres humanos. São de fato os seres que fazem isso ou são os chamados praticantes de magia negra? De que maneira eles exercem influência sobre as pessoas, principalmente no caso de aspirantes espirituais?

Sri Chinmoy: Os praticantes de magia negra são seres humanos que vivem entre nós, na Terra. Os outros seres não são seres humanos, são seres no mundo vital. Às vezes eles tomam a forma de uma diminuta for-miga; às vezes tomam uma forma tão enorme quanto um elefante. Eles entram em nós durante a nossa vida inconsciente, e tentam fazer coisas negativas. Apesar das pessoas estarem praticando a vida espiritual, através da inveja ou outra fraqueza, as forças negras frequentemente conseguem penetrar nelas. E elas caem espiritual-mente, dificilmente sendo capazes de recuperar a elevação perdida antes de uma nova encarnação.

Parte III: O Mundo dos Espíritos

Pergunta: O que são espíritos ou seres vitais?

Sri Chinmoy: Alguns deles já fizeram parte de um ser humano, mas outros são apenas parte da existência universal. Essas entidades não desejam a luz da alma. Elas sentem prazer em criar problemas e destruição.

Não podemos dizer que essas forças são alucinações mentais. No ocidente utilizamos os termos ‘alucinação’ e ‘superstição’. Sabemos que alucinações e superstições existem, mas os seres de que falamos existem no mundo real. Eu os vi com os meus próprios olhos, como também os viram outros membros da minha família, nossos empregados e vizinhos. E lidei com eles com a minha própria luz e poder espiritual.

Pergunta: Esses seres vitais ficariam assustados com a sua foto transcendental? Ela os afugentaria caso nos atacassem, digamos, enquanto estivéssemos andando pelas ruas?

Sri Chinmoy: Acredite em mim, se eles vissem a foto transcendental, e se a foto transcendental estivesse operando naquele momento, eles seriam afugentados. O problema é que você não pensará na foto transcendental naquele momento. Quando você for atacado, ficará chocado e a ideia da foto não virá até você. Mas caso a vítima esteja recebendo luz da foto transcendental, os seres ficarão terrivelmente assustados e serão obrigados a ir embora. A força irá embora apenas se a pessoa estiver recebendo a luz. Caso a minha foto transcendental esteja presente e aquele que a observar não seja de modo algum meu discípulo, não se importando comigo, a transcendental será apenas uma foto. Essa pessoa não receberá luz dela e as forças não ficarão assustadas.

Caso alguém tenha sido vítima dessas forças e você mostre a ela uma foto comum, ainda que esta pessoa tenha fé nesta foto, ela não a protegerá. Antes de mais nada, a pessoa não terá fé suficiente na foto, caso não seja a minha foto transcendental. Depois, mesmo que tenha fé nessa foto comum, a foto não irá emanar o Divino. O poder de proteção da luz opera de maneira individual. Nesta ca-deira reside uma alma, e no meu corpo também há uma alma. Todavia, existe uma grande diferença entre a alma que tenho no corpo e a alma que a cadeira possui. É verdade que Deus reside na cenoura, e que Deus reside num lápis. Mas quanta divindade existe em uma cenoura ou em um lápis? Se a vítima for receptiva e olhar para a foto transcendental, aquele ser vital terá de ir embora. Ficará terrivelmente assustado com a luz e poder que fluirão da foto para a vítima.

As forças atacam mesmo, mas a proteção estará sempre presen-te. A melhor coisa a se fazer é pensar em proteção como a primeira coisa do dia, todas as manhãs, quando for orar e meditar.

Pergunta: Há algum modo para que alguém– não alguém que tenha uma vida espiritual, mas sim uma pessoa comum, – possa se defender caso um espírito a ataque? Existe algo que possa se fazer? Nos filmes como Drácula, e também em outros, existe a cruz e todo aquele apa-rato religioso que impedem que um fantasma lhe cause danos.

Sri Chinmoy: Seria bom se alguém pudesse empunhar algo desse tipo. No caso de um ataque proveniente de um espírito hostil, um espírito ma-ligno, a defesa mais efetiva será sempre usar de pureza. Tais forças não conseguem tolerar a pureza.

Caso alguém seja atacado e fique incapacitado, os ocultistas poderão fazer algo para ajudá-lo. Eu mesmo já fiz isso. Primeiro eles fazem um círculo e depois alcançam a alma da pessoa que é a vítima. A alma pode fornecer ao ocultista uma informação; a alma tem o onipotente poder de trazer ao ocultista a própria imagem do fantasma ou espírito maligno em particular. Assim, a alma, como uma máquina de raios-x, trará à tona a imagem e dirá: “Aqui está ele. Este é o espírito maligno que me atacou.” Em seguida, o ocultista irá desenhar, pintar ou de alguma forma capturar a impressão do espírito em uma folha de papel. Não precisa ser um artista ̵ longe disso. Ele utilizará então alguma fórmula ocultista, e, com a ajuda da alma, fará uma cruz naquele rosto. Quando fizer isso, o espírito que estava dentro da vítima irá embora. A pessoa poderá estar inconsciente, ou até mesmo estar vomitando ou comportando-se de forma estranha. Normalmente, a vítima de um espírito maligno fica com muito medo de água, bem como de seus amigos e familiares. Tudo o que vê a assusta. No entanto, quando o ocultista usa o seu poder, imediatamente a vítima é libertada. Em casos graves, quando a vítima não recebe ajuda de um ocultista competente, os médicos darão injeções e farão muitas coisas. A vítima ficará num hospital por três, quatro, cinco dias antes de morrer e a maior parte do tempo estará em coma.

*Pergunta: Isso ocorre frequentemente?

:PROPERTIES: :id: b0065-0028 :genre: qa :cite-key: ASB:25 :END:

Sri Chinmoy: Eu soube e acompanhei cerca de dez ou onze casos. Não que eu tenha lidado com eles, mas vi os tipos de coisas que aconteciam. Normalmente, são os ocultistas que lidam com essas coisas. Na Índia, existem algumas pessoas que não são de forma alguma ocul-tistas, mas que sabem algo sobre o mundo vital, e lidam com as forças malignas de uma maneira um tanto grosseira. Esta maneira grosseira é bastante ruim. Eles começam a surrar violentamente a vítima. Quando eu estava com seis ou sete anos, tinha um vizinho que acabou sendo atacado por aquelas forças. O exorcista da vila chegou e começou a bater nele impiedosamente com um pedaço de madeira. O homem chorava e gritava, mas o exorcista dizia: “Estou batendo nele para exorcizar o espírito maligno.” O exorcista foi bem sucedido, como de costume, mas o procedimento foi bastante grosseiro.

Pergunta: Isso ocorre mais em uma parte do mundo de que em outra? Já que existem mais ocultistas na Índia do que aqui nos Estados Unidos, isso acontece mais lá?

Sri Chinmoy: Eu não faço ideia. Li alguns livros, e mesmo nos Estados Unidos essas coisas parecem ocorrer frequentemente.

Pergunta: Mas eles não reconhecem isso nos Estados Unidos.

Sri Chinmoy: Não, eles não reconhecem isso nos Estados Unidos. Nos Estados Unidos, muitas pessoas que foram atacadas por uma força hostil vão simplesmente parar em um hospital, porque a causa dos seus males não é compreendida. Já nas vilas indianas, esse ataque é visto como um acontecimento diário. É o motivo pelo qual as cri-anças são proibidas de sair de casa da uma às três horas da tarde. Se tiverem que sair, elas vão em grupo, nunca sozinhas. Da uma às três da tarde é a pior hora.

Pergunta: Como o espírito faz para possuir uma pessoa? Como ele ganha acesso à sua consciência? Ele simplesmente a penetra?

Sri Chinmoy: Eles possuem poder no mundo vital. Podem possuí-lo facilmente enquanto você anda pela rua ou a qualquer hora. Mas por que apenas espíritos? Pensamentos humanos também podem entrar. Se justo agora você abriga bons pensamentos, muito poderosos, com esses pensamentos poderosos você pode entrar em outra pessoa. Estará emitindo ondas de pensamento para alguém, e essa pessoa poderá ver um ser à sua frente, como num sonho. Esse ser poderá tomar qualquer forma que você desejar. Podemos criar formas a partir do pensamento, pois este é muito poderoso. Quando os Yogis utilizam seu poder-vontade ou o poder dos seus pensamentos, imediatamente dão a eles uma forma. Você pensa que aquela história sobre roubar a berinjela, encenada por Kanan, é “conversa para boi dormir”? Que não há verdade nela? Aquela história é absolutamente verídica. A mulher que aparecia o tempo todo, a criança e todos os outros vieram de ondas de pensamento, do poder-vontade do Mestre. O Yogi usou seu poder-vontade e imediatamente o poder tomou forma.

Pergunta: Eu gostaria de saber qual a diferença entre alma e espírito. Sei que são coisas completamente diferentes, mas não consigo entender a diferença.

Sri Chinmoy: Um espírito, da maneira que o termo é utilizado no ocidente, é uma entidade vital e não costuma ser bondosa. A alma, a qual incorpora Deus, fica em nossas profundezas interiores; ela é parte do Eu. Através da alma, entramos em nossa toda-permeante divindade. Quando utilizamos o termo ‘alma’, ele se refere a uma centelha do Eu, o Onisciente e o Onipotente.

Um espírito, da forma com que utilizamos o termo aqui, se refere à entidade vital que fica descontente ou insatisfeita quando a pessoa morre, permanecendo no mundo vital por algum tempo. Existem muitas, muitas forças perturbadoras, implacáveis e obstrutivas que tomam a forma de espíritos.

Esses espíritos procuram criar desarmonia, separação e coisas similares. É o papel deles.

Às vezes, os espíritos ajudarão alguém a encontrar informações no mundo vital sobre o que está acontecendo lá ou o que acontecerá amanhã ou depois. Eles possuem essa capacidade, pois o mundo vital é mais elevado que o mundo físico. Se você escalar uma árvore e observar do topo, terá uma vista mais ampla e poderá ver tudo de uma forma mais clara. É mais fácil observar o que acontece no mundo físico a partir do mundo vital. Mas é bastante difícil entrar no mundo vital a partir do físico. Nisso estão envolvidas as práticas ocultas ou o espiritismo.

É bastante comum que espíritos digam a uma pessoa em luto, que eles trarão as almas dos seus pais ou entes queridos para visitá-la. Gostaria de dizer que as pessoas que ouvem o que esses espíritos falam estão cometendo um grande erro, pois os espíritos não trazem realmente a alma daquela pessoa, do ente querido. Ao invés disso, eles trazem do mundo vital entidades descontentes e gananciosas.

Existem alguns espíritos que tomam posse das pessoas que lidam com eles. Os seres exteriores dessas pessoas permitem que o espí-rito entre nelas, resultando disso a possessão. Às vezes, essas pes-soas predizem coisas que podem, ou não, acontecer. No entanto, infelizmente isso não as traz para a vida espiritual. Depois de al-guns anos o espírito dirá: “Agora me dê o pagamento. Eu dei a você fama e renome. Você não sabia nada sobre o passado ou sobre o futuro. Eu mostrei a você, e agora você deve me pagar.” E como a pessoa poderá pagar? A sua fama e renome não trarão alegria para esses seres famintos, e eles então irão destruí-la. Muitos, muitos praticantes de magia negra e pessoas que lidam com espíritos fo-ram sufocadas ou mortas. Sei disso porque acompanhei um bom número de casos.

Voltando para o termo ‘espírito’, na Índia o utilizamos com um ‘E’ maiúsculo, e ele possui um significado diferente do assumido no ocidente. Esse Espírito é a forma masculina de Deus, que não entra no campo da criação. É o Além não-manifestado, o Eu. Quando nos voltamos para a vida interior e fazemos progresso espiritual, trazendo para nós mesmos, realização e libertação do medo, da dúvida e das limitações, ganhamos acesso livre ao Espírito. Lá, alcançamos a nossa própria identidade com a Visão e Realidade Cósmicas. Esta concepção de Espírito não é utilizada no ocidente, onde utilizamos o termo ‘espírito’ para nos referir ao espiritismo e a seres do mundo vital.

Pergunta: Caso um espírito me apareça, como poderei saber se ele é um espírito bom ou mau?

Sri Chinmoy: Quando espíritos bons aparecerem, você sempre sentirá a fragrância de uma flor. Mesmo que não hajam flores na sala em que estiver, você sentirá a fragrância de flores ou de incenso, e sentirá também alegria. No entanto, quando maus espíritos se aproximarem, você sempre terá uma sensação de medo, ansiedade ou des-conforto na sala e nas proximidades do seu corpo. Antes de eles chegarem, você poderia estar muito puro, mas os maus espíritos tornarão a sua mente impura.

Pergunta: Um espírito pode ajudar uma pessoa?

:PROPERTIES: :id: b0065-0034 :genre: qa :cite-key: ASB:31 :END:

Sri Chinmoy: Sim. Os pais podem vir em um sonho e instruir alguém a fazer algo bom, podem contar o futuro, ou simplesmente avisar a você que algo acontecerá. A minha mãe faleceu há mais de vinte anos, e agora ela está no Céu. Ela veio e me ajudou centenas de vezes. Algumas vezes, quando perco algo e fico perturbado por precisar daquilo, minha mãe aparece bem diante de mim. Da mesma maneira que eu vejo você em uma forma física, eu posso ver a minha mãe e tocá-la. E ela me diz: “Veja, está lá na gaveta.” Eu digo: “Não, não pode estar lá porque eu não usei aquela gaveta; eu nunca a uso.” Mas é lá que eu termino encontrando o que procurava.

Na Índia, é dito que se você larga algo com a mão esquerda, levará horas procurando antes de encontrar aquilo novamente. É claro, existe um outro método. Quando perco algo, se eu me concentrar poderei descobrir imediatamente onde está o que procuro.

Pergunta: Eu li num livreto que toda pessoa possui guias ligados a ela, e que a pessoa pode orar para esses guias. É verdade?

Sri Chinmoy: Sim, todos possuem não somente um, mas dois ou três guias. Na Índia, os chamamos de divindades regentes. E os nossos pais e familiares que são intimamente ligados a nós, após deixarem o corpo, também nos ajudam, guiam e oram por nós. Se ainda guardarem algum sentimento em relação à nossa pessoa, mesmo daquele plano lhes será possível oferecer-nos auxílio. É mais fácil para eles rezarem por nós do que para nós rezarmos por eles, pois eles se encontram num nível mais elevado.

Pergunta: Se queimarmos incenso e acendermos velas, ficará mais fácil invocarmos espíritos?

Sri Chinmoy: Quando eu tinha dores nos pés, as minhas irmãs costumavam ver uma forma branca massageando os meus pés. Elas não viam uma face, mas apenas um vulto. Eu no entanto, podia ver o rosto e todo o resto. Eu pedia a elas que não tocassem o espírito, porque ele era extremamente puro, e que trouxessem incenso, velas e flores. Sempre que um espírito vier, você deve trazer tais coisas, porque de outra maneira será bastante difícil para o espírito ficar ao seu lado. Mesmo que você seja o homem mais puro na Terra, os espí-ritos sempre verão você cheio de impurezas. No entanto, se houver uma flor, incenso e uma vela, eles se sentirão mais à vontade para permanecer junto a você.

Sri Ramakrishna, uma de nossas mais grandiosas personalidades espirituais, após deixar o corpo, foi até a casa de um de seus devo-tos. O devoto gostaria que ele ficasse bastante tempo, mas Sri Ra-makrishna disse: “Devido ao meu infinito e ilimitado amor eu vim até você, mas vejo que você se encontra muito impuro. Sem-pre mantenha incenso aceso no seu quarto. Quando fico neste lugar é como estivesse deitando num leito de espinhos. Como é que você espera que eu durma em uma cama de espinhos?”

Pergunta: Por que as flores e o incenso ajudam a trazer de volta os bons espíritos?

Sri Chinmoy: As flores e o incenso permitem que os espíritos fiquem tranquilos. Ambos purificam a atmosfera. É um tipo de alimento para eles; como se fossem frutas. Se você os invocar e o seu quarto não estiver limpo, isso irá torturá-los; mesmo que a sua mente e o seu corpo estejam limpos. Você pode estar pensando em Deus e pode sentir-se puro, mas se o seu quarto não estiver puro, será uma verdadeira tortura para os espíritos.

Pergunta: Guru, como se originaram as forças hostis?

Sri Chinmoy: Todas elas são seres que estão descontentes ou insatisfeitos. Alguns desses seres nunca tiveram nascimentos humanos; outros já foram alguma vez seres humanos. Quando eram seres humanos, eles discutiam, lutavam, assassinavam pessoas e faziam todo o tipo de coisas inimagináveis. Não se contentavam com nenhuma experiência que tivessem. Mesmo matando centenas de pessoas, eles não ficavam satisfeitos. A satisfação não estava presente na vida deles.

Pergunta: Chegará o dia em que não mais haverá forças hostis?

Sri Chinmoy: Sim, chegará esse dia. Levará milhões de anos, mas certamente Deus não permanecerá imperfeito para sempre. Ele não pode. Ele precisará torná-las perfeitas algum dia.

Pergunta: Quando você luta, você tem algum exército, Guru?

Sri Chinmoy: Sim, muitos exércitos.

Pergunta: São os seus seres interiores ou existem outros seres também?

Sri Chinmoy: Os meus seres interiores lutam junto comigo e por mim.

Pergunta: A arma é a concentração?

Sri Chinmoy: Não é a concentração. Mestres espirituais preservam um certo poder sólido, o qual eles podem utilizar caso queiram. Não é o poder da concentração. É como a força que você tem nos braços. Não precisa utilizá-la o tempo todo. De modo similar, eu tenho dentro de mim uma força sólida; ela já está lá. Quando a hora chega, eu apenas a utilizo. É como ter milhares de dólares no banco; eles estão disponíveis para você. Pode utilizar um centavo ou todos os milhares de dólares. Mas por que deveria utilizar mil dólares ou mesmo um centavo se não há necessidade? Caso haja uma necessidade, uma necessidade divina; na maioria dos casos a decisão de usar tal poder vem do Supremo.

Pergunta: Guru, você alguma vez chama os discípulos para lutar essas batalhas?

Sri Chinmoy: Eu ainda não conto com esse tipo de discípulo. Você será assim um dia. Ficarei então contente em utilizá-lo, muito contente. Quando eu era discípulo de outra pessoa, costumava participar de centenas e centenas dessas batalhas. E então? Na manhã seguinte não havia o menor reconhecimento pelo que eu havia feito. Apenas uma vez, quando eu fiz algo realmente extraordinário, quando o meu próprio Guru não ousou fazer aquilo, então na manhã seguinte o Guru disse o que eu havia feito. Mas normalmente ele não me daria crédito no plano físico.

Pergunta: Guru, quando você fala em lutar contra uma força hostil, é uma questão de trazer algo das alturas e injetar nela? Ou é um tipo de luta na qual você está engajado? Quando você luta contra uma força hostil, como isso difere de apenas meditar e trazer luz e paz?

Sri Chinmoy: Na meditação, nós invocamos paz e devotadamente buscamos receber aquilo que chega das alturas. Mas quando nos deparamos com uma força hostil, a cena é como um campo de batalha. Lá, devemos matar às cegas. Lá, não pensamos em pai, mãe ou irmãos. Lá, devemos agir realmente como se fossemos um elefante enlou-quecido. Não, ‘elefante enlouquecido’ não é o termo correto. Quando pessoas espirituais lutam contra as forças hostis, é algo como centenas de leões lutando. Lá não existe nada do tipo trazer alguma coisa das alturas. É uma luta de verdade.

Pergunta: Como é quando você luta no mundo interior?

Sri Chinmoy: Como posso explicar a você? No mundo vital existem muitas, muitas forças destrutivas. A maioria de vocês não viu nem mesmo fantasmas. Deus não quer mostrar fantasmas a vocês. Entretanto, as forças nos mundos vitais são infinitamente mais poderosas e mais assustadoras do que um fantasma. São extremamente feias e sujas, e ao mesmo tempo inacreditavelmente fortes. Quando você as vê, não quer nem mesmo lutar. Sente que o melhor é render-se imediatamente. E não é que elas sejam todas tão belas e luminosas que você queira morrer aos pés delas, não. Tão logo você as vê, pensa que é impossível derrotá-las, e então acha que a melhor coisa a fazer é simplesmente se entregar e morrer em paz.

Pergunta: Você já foi alguma vez possuído por um espírito?

Sri Chinmoy: Os espíritos vêm e tentam possuir Mestres espirituais, mas não conseguem. Nós não permitimos que o façam. É a Vontade de Deus que lutemos contra eles.

Certa vez, quando eu tinha vinte e um anos de idade, seis espíritos apareceram e me atacaram. Eu estava na minha cama e comecei a lutar contra eles. Pela Graça de Deus aqueles espíritos tiveram que ir embora, mas retornaram mais tarde. Isso aconteceu por volta das três horas da manhã, e o tumulto foi tal que todos os residen-tes da casa – eram cerca de onze ou doze – vieram ver. Apenas o meu irmão, que estava no mesmo quarto, numa cama ao lado da minha, pôde ver que eu estava lutando contra algo e falando em outra língua. Ele não conhecia o significado do que eu estava di-zendo, mas escreveu o que havia escutado enquanto eu lutava e discutia com os espíritos. Depois me perguntou o significado daquelas palavras, mas eu havia esquecido tudo. Mais tarde eu me concentrei e meditei, e então contei a ele o significado daquelas palavras.

Aqueles eram espíritos malignos. Frequentemente os espíritos malignos buscam roubar o nosso poder espiritual nos momentos em que a nossa guarda está baixa. Não é apenas poder espiritual que eles levam. Se você tiver honestidade, simplicidade ou, especi-almente, pureza, eles tentarão levar tudo isso embora. Primeiro eles levam a pureza, pois sabem que quando a pureza se vai, aquela pessoa não consegue mais fazer progresso. Se alguém quiser possu-ir algo duradouro na vida espiritual, deverá então, obter pureza primeiro.

Pergunta: Guru, acontecem no ocidente coisas tais como espíritos malignos entrando em pessoas e todos pensarem que é algum tipo de problema médico? Alguns casos psiquiátricos poderiam ser, na verda-de, casos nos quais forças malignas entraram na pessoa?

Sri Chinmoy: Sim, no ocidente existem muitos casos desse tipo que foram colocados sob tratamento psiquiátrico. Uma das minhas primeiras discípulas foi atacada por uma força maligna, mas a sua mãe pen-sou que era um problema mental e a colocou em um hospital no Bronx por um ano ou dois. Ela ficou praticamente louca lá. Certo dia, uma outra discípula me contou sobre o caso e eu fiquei desolado. Eu morava em Manhattan naquele época e fui vê-la. Ela já estava lá por algum tempo, sofrendo e sem fazer progresso, num estado bastante lastimável. Eles pensaram que ela havia perdido a sanidade e precisava de tratamento psiquiátrico, mas eu vi clara-mente que ela tinha sido atacada por uma força não-divina. Ela não me conhecia direito naquela época; casualmente ela ouvira falar de mim. No entanto eu a ajudei e em poucos dias ela estava livre. Duas vezes depois disso nós tivemos meditações e dei palestras na casa dela. Uma vez, quando eu estava prestes a iniciar a meditação lá, o gato dela veio até mim, deitou-se aos meus pés e disse interiormente que ele gostaria de ter uma encarnação humana. Todos ficaram surpresos, pois de repente o gato veio e deitou-se aos meus pés, encarando-me fixamente.

Pergunta: Caso você não a tivesse ajudado, as forças teriam permanecido nela pelo resto da vida ou a deixariam após um certo tempo?

Sri Chinmoy: Eu não tenho ideia do que teria acontecido no caso dela. Talvez aquilo durasse por alguns anos e caso sentissem que ela estivesse ficando mais e mais fraca, as forças poderiam ir embora. Iriam não por piedade, mas porque elas já a teriam destruído. Procurariam então uma outra pessoa. E não pensem que logo após as forças deixarem uma pessoa, ela fica bem, nada disso! Se já tiverem danificado severamente ou permanentemente arruinado com uma pessoa, as forças poderão ir até uma outra pessoa e tentar criar problemas para ela. Se o espírito não destruiu completamente a vítima, há a possibilidade de que ela seja curada. Mas depois da destruição total se torna um caso sem esperanças.

Pergunta: O que acontece com essa alma na sua próxima encarnação? Ela fica arruinada?

Sri Chinmoy: A alma não fica arruinada. Mas a pobre alma não tem oportunidades adequadas na sua presente encarnação para fazer progresso, para manifestar a sua divindade.

Pergunta: Como se pode diferenciar uma pessoa que deseja poder por estar possuída por um desses seres, de outra, que deseja poder por ser da natureza dela, devido ao fato de não ser espiritualmente avançada?

Sri Chinmoy: Se você tiver a habilidade, a maneira mais fácil é concentrar-se na alma. Neste caso será possível ver se a pessoa se tornou vítima dessas forças más ou se é o seu próprio ser vital que anseia por poder. Consideremos uma criança. Deveríamos sentir pureza no rosto de uma criança; pela sua própria natureza, uma criança deve-ria ser doce e amável. Contudo, quando vemos uma criança que está sempre quebrando coisas, lutando, cheia de agressividade, sabemos que a criança foi possuída por alguma coisa. Em alguns casos, a criança já nasce assim, possuída, e quando cresce será natural para ela lutar e conquistar. Essa pessoa irá sempre querer que os outros fiquem para trás ou aos seus pés. No caso de uma criança, pode-se facilmente perceber isso. No caso de adultos, se alguém se concentrar na alma de outra pessoa, poderá facilmente saber se ela está sendo possuída ou não por um outro ser.

Pergunta: Existe alguma forma de se combater esses seres?

Sri Chinmoy: Sim, trazendo paz. A paz é o melhor antídoto. Quando a paz entra nesses seres, eles morrem imediatamente. Para eles é como veneno, pois este mundo desassossegado tem um medo terrível da paz. Se pudermos verter paz nas pessoas que se tornaram vítimas dessas forças-vida agressivas, a paz imediatamente absorverá a sua agres-são. Pais podem facilmente resolver o problema ao se concentra-rem nos corações de seus filhos jovens, trazendo paz para eles. Não existe outra solução. Apenas a paz pode resolver o problema.

Pergunta: Por que é necessário para uma alma que tenha deixado o corpo há muitos anos atrás pedir uma coisa material, nesse caso um crânio? (referindo-se a uma história sobre um fantasma que sacudia a cama de alguém que havia levado um crânio antigo de um cemitério)

Sri Chinmoy: Almas comuns têm uma atitude maliciosa de vingança. Quando não conseguem vingar-se de alguém enquanto estão na Terra, elas irão querer vingar-se quando estiverem no outro mundo. Elas não estão satisfeitas, e para elas é irrelevante se agem contra um amigo ou inimigo. Vingam-se porque pensam que estarão ganhando algo. Elas têm prazer em fazê-lo, e são impiedosas. Eu conheço muitos casos semelhantes à história que você contou. Essas almas pedem uma coisa de pouco valor – um dólar, por exemplo – e, se não recebem aquilo, o que fazem? Entram nos seus nervos sutis e irritam todo o seu organismo. Eu soube de um jovem garoto cujo amigo faleceu. O menino devia ao amigo o equivalente a dez centavos em moeda indiana. Por sete noites o seu amigo retornou, dizendo: “Devolva o meu dinheiro.” O garoto disse: “Eu estou pronto para devolver, mas como você receberá?” E o amigo dizia: “Me dê, me dê o meu dinheiro.” Ao final da semana a saúde do garoto estava em pedaços e ele ficou de cama por dois meses.

Caso você tenha uma empregada – uma faxineira, por exemplo, e ela morra. Se quiser vingança, ela poderá permanecer no mundo vital por meses ou anos. De lá, o espírito dela poderá causar mui-tos problemas. No entanto todas as coisas são limitadas; ela não poderá continuar torturando-o para sempre.

Vocês não têm ideia de quanto uma certa moça sofreu quando o seu primeiro esposo cometeu suicídio. Duas ou três horas após o casamento ele teve a brilhante ideia de se matar. Como ela sofreu! Foram cinco, seis, sete anos, ou talvez mais. Todos os dias ela era atacada, ameaçada, assustada e torturada de muitas formas. Eu estava na Índia naquela época e não a conhecia, mas um amigo meu pediu que eu a ajudasse. Eu usei o meu poder e após tantos anos de torturas, o espírito finalmente foi embora.

Nós costumamos pensar que, tão logo a alma deixa o corpo, ela se torna generosa, pura, misericordiosa; mas não é assim. Se fosse assim, a morte seria sempre bem-vinda por nós. Diríamos à mor-te: “No momento que você me aceitar eu ficarei livre de todas as amarras.” Mas não é assim que acontece. O padrão que alcançar-mos nesta vida se torna um patamar. Na nossa próxima encarnação começaremos do ponto que tivermos alcançado agora. Se cultivarmos perdão, amor e sacrifício nesta encarnação, pela força do nosso perdão, amor e sacrifício, daremos mais um passo adiante em nossa próxima encarnação.

As pessoas que se vingam de seus amigos e conhecidos depois que suas almas deixam o corpo, estão cometendo enganos tremendos, atrapalhando a sua própria encarnação seguinte, pois não estão abandonando o mundo vital. Elas permanecem no mundo vital e entram no mundo físico grosseiro para ameaçar, assustar ou dar algumas notícias. Se ao invés disso, buscassem entrar no plano mental, no plano da intuição, na mente elevada, na supramente, ou na região da alma, fariam verdadeiro progresso. No entanto elas não o fazem.

Quando aquele homem, ao qual você se referiu em sua pergunta, levou o crânio para casa, ele se colocou em contato com as forças vitais. Ele procurou problemas ao fazer isso. Quando eu tinha nove ou dez anos de idade, fui até um lugar onde vi um crânio. Pude ver algumas palavras em sânscrito escritas nele. Mais tarde, quando estava retornando para casa, vi interiormente que aquelas poucas palavras eram na verdade uma longa carta, e na carta a pessoa falecida dizia quão cruéis com ele foram a sua esposa e filhos. Se eu tivesse trazido o crânio para casa, eu teria o mesmo destino do homem a quem você se referiu na pergunta. Mesmo que eu não estivesse envolvido com o falecido, apenas por ter demonstrado interesse por aquele crânio eu seria incomodado por ele.

Pergunta: Mas o que acontece com essas almas? Elas não estão livres; de certa forma estão presas às suas vidas passadas.

Sri Chinmoy: Se uma personalidade espiritual quiser demonstrar compaixão, ela então as libertará, deixando-as livres do plano vital. Ele irá lhes dizer que estão fazendo mal, não apenas para os seus familiares e amigos, mas também para si mesmas. Dirá também que não terão futuro e nem luz diante delas, se continuarem agindo assim. Mas a não ser que haja o auxílio de um Mestre, essas almas permanece-rão nessa condição deplorável por muitos e muitos anos.

Pergunta: Como elas chegam a sair do plano vital?

Sri Chinmoy: Saem quando finalmente percebem que também existem mundos mais elevados, nos quais elas também podem ficar. No mundo vital também é necessário aspirar para ir além, mais alto. Se não houver aspiração, então aquela pessoa ficará por lá. Mesmo neste mundo, se alguém não tem aspiração, não fará progresso algum durante a sua vida. A pessoa virá e permanecerá como um ser humano bastante mundano, talvez por muitas vidas. Existem muitos seres humanos que agem como animais. Por que isso acontece? É porque eles não têm a aspiração para prosseguir além da consciência animal.

Pergunta: O que são fantasmas? São eles os seres vitais de pessoas mortas?

Sri Chinmoy: A maioria deles são seres vitais insatisfeitos. Os que estão satisfeitos não fazem esse tipo de coisa. É por isso que na Índia se pode ver tantos rituais quando alguém morre. Por um mês eles de fato alimentam o falecido. No caso de um falecimento, coloca-se todos os tipos de comida diante da casa por um mês, por acreditar-se que a pessoa que morreu ainda tem fome. Nós costumávamos deixar comida para o nosso pai e nossa mãe. Era bastante comum que um cão viesse e comesse tudo, às vezes nos deixando irritados. Mas o brahmin da vila nos deu um bom conselho. Ele disse: “O pai de vocês tomou a forma de um cão e o cão está comendo o alimento.” Eu o observei seis ou sete vezes com lágrimas nos olhos, pensando: “O meu pai está comendo.” O cão comia e eu o observava com tanta afeição, porque o brahmin havia nos dito que o cão estava comendo pelo meu pai. Essas crenças dos vilarejos! Eu vi isso com os meus próprios olhos. Quando o meu pai morreu e também quando a minha mãe morreu, nós seguimos esse ritual por um mês e então, passado o mês, achamos que eles não estavam mais com fome.

Pergunta: Existe alguma verdade nas histórias sobre casas mal-assombradas?

Sri Chinmoy: Certamente! Deixe-me contar sobre uma experiência que tive enquanto estava em Connecticut, não faz muito tempo. Passamos algumas noites na casa de uma senhora. Quando ela me contou que a casa dela era mal-assombrada, eu não dei muita atenção. Mas à noite os espíritos vieram. Eu acho que estavam envolvidos três espíritos: um pai e dois filhos. É uma longa história. Eles urravam e urravam, tentando me assustar. Na primeira noite eu não levei muito a sério, mas na segunda noite foi realmente terrível e eu fui obrigado a levar a sério. Eles curvaram um galho da árvore de forma que ele caísse sobre a minha janela, quebrando-a. O galho praticamente me empurrou da cama. Então eu disse: “Está certo! A hora de vocês chegou!” e então os mandei embora.

Pergunta: Guru, aquela senhora podia escutá-los também ou apenas você?

Sri Chinmoy: Qualquer um podia ouvi-los. Ela os ouvira muitas vezes. A filha dela costumava ficar com medo e às vezes chegava até a desmaiar.

Pergunta: Eles sabiam quem você era? Fizeram aquilo de propósito?

Sri Chinmoy: Não. Eles não sabiam que eu era um homem espiritual ou algo do gênero. Simplesmente acharam que alguém estava lá e daí fizeram aquelas coisas.

Pergunta: Se você não tivesse mandado esses espíritos embora, eles teriam saído por conta própria?

Sri Chinmoy: Os espíritos não decidem ir embora por conta própria. Uma vez que eles ocupam um lugar, são como uma força hostil; eles ocupam um território e deve-se trabalhar duro para removê-los. Eu o fiz em alguns lugares. Algumas pessoas oram a Deus e Ele as ajuda.

Pergunta: Todos podem ver fantasmas, ou apenas algumas pessoas?

Sri Chinmoy: Caso eles tomem forma, os espíritos podem ser vistos por qual-quer um. Eles podem tomar uma forma bonita ou feia. Quando eu tinha apenas doze anos de idade, um de nossos empregados foi atacado por um fantasma. Ele tinha cerca de vinte e três anos de idade. Por volta do meio-dia ou uma hora da tarde ele estava caminhando pela rua quando, de repente, o sujeito tolo viu uma mulher em cima de uma árvore, chamando por socorro. Quando ele subiu para ajudá-la, ela começou a bater nele com os joelhos. O rapazinho caiu e desmaiou. Depois ele foi levado a um hospital e eles tentaram usar todo o tipo de medicamentos nele. Como ele sofreu! Não era uma alucinação mental ou algo do gênero.

Geralmente, os espíritos femininos são mais perversos do que os masculinos. Os femininos aparecem com uma forma muito bela e atraem alguém. Quando a pessoa chega perto, eles o machucam como nunca. Uma noite, o meu irmão mais velho e seu ami-go estavam andando juntos, perto de um bambuzal. Bambuzais são bastante altos. Eles repararam que um certo bambu estava bas-tante curvado. O meu irmão chegou a ver uma mulher lá, mas o seu amigo não a viu. Não foi o terceiro olho ou algo assim que permitiu que somente o meu irmão visse a mulher; ocorreu apenas que o amigo dele não estava prestando atenção. Mas o rapaz ficou tão animado em ver um bambu assim curvado que o segurou. De imediato, a árvore se endireitou novamente, e o amigo do meu irmão foi arremessado até o alto. Quando ele caiu, quebrou o cotovelo e o ombro. Nada aconteceu com o meu irmão.

Pergunta: Esses espíritos guardam rancor contra certas pessoas?

Sri Chinmoy: Na verdade, não contra ninguém em especial, mas eles são seres perversos, que têm prazer em fazer tais coisas.

Pergunta: E nos cemitérios? Existem fantasmas lá?

Sri Chinmoy: Em cemitérios e também em crematórios. Você pode ver como os fantasmas e as forças malignas lutam e urram durante a noite. As pessoas que residem próximas a esses locais conseguem ouvi-los.

No lugar onde fomos fazer um piquenique outro dia, eu vi muitas forças ruins. Muitas pessoas haviam cometido suicídio naquela propriedade. Em geral, os fantasmas e forças malignas frequentam áreas onde pessoas cometeram suicídio.

Part IV: Médiuns e o Mundo Invisível

Pergunta: O que os médiuns contatam quando oferecem mensagens? Com quem ou com o quê eles estão falando?

Sri Chinmoy: Eles buscam falar com a alma. Se eu quiser ver o irmão, o pai ou a mãe de alguém, que faleceram, eu poderei ver e falar com a alma daquelas pessoas. Quando você obtiver auto-realização, também poderá falar com os seus pais dessa maneira, caso eles não estejam na Terra. Se eles ainda estiverem no Céu ou em algum outro mundo elevado, será fácil falar com a alma. Se eles tiverem tomado uma encarnação humana, fica um pouco difícil, mas ainda será possível.

A alma tem a sua própria linguagem. Assim como podemos falar diretamente com um ser humano, podemos falar com a alma. Um homem que não seja realizado em Deus, poderá falar com a alma se tiver alguma conexão ou controle sobre algum espírito no plano vital. No entanto, a informação recebida através de espíritos, é em muitos casos, imperfeita ou incorreta. Se o pai ou mãe de alguém tiver falecido e quiser se dar ao trabalho de ajudar o filho, que se encontra na Terra, o espírito do falecido, não importa onde esteja, poderá vir e trazer mensagens. A qualquer momento, os espíritos podem se concentrar nos filhos, pensar neles e então transmitir mensagens. Existem pessoas das mais comuns, que não oram por um segundo sequer, mas que ainda assim recebem mensagens dos familiares no plano da alma. No entanto, todo esse processo, não é de forma alguma, preciso ou confiável. As pessoas que recebem mensagens dessa maneira sempre ficarão à mercê dos caprichos de seus entes queridos que já faleceram.

Pergunta: Como alguém poderia contatar seus entes queridos no outro mundo?

Sri Chinmoy: Existem várias maneiras de entrar em contato com os entes queri-dos que não estão neste mundo. A maneira mais fácil, da qual você ouve falar todo o tempo, é procurando um médium. O médium lhe contará muitas histórias sobre os seus familiares que estiverem no Céu.

Infelizmente, essas histórias dificilmente têm algo a ver com a realidade. Apenas raramente os médiuns trazem verdadeiras mensagens interiores vindas da alma. Você deve ter em mente que, uma vez que a pessoa deixou o corpo, há alguns dias ou meses, ou mesmo um ou dois anos atrás, existe a possibilidade que a alma ainda esteja no mundo vital. Fica então mais fácil para o médium trazer mensagens verdadeiras. Mas, a partir do momento em que a alma entra no mundo mental, no mundo intuitivo, no mundo psíquico e no mundo próprio da alma, o qual é infinitamente mais elevado do que o mundo vital, as mensagens que você ouvirá do médium serão todas falsas.

Outra maneira seria procurar por um Mestre espiritual. Se eu falo com o dono de uma grande loja e peço que ele faça algo, se ele simpatizar comigo, imediatamente ele fará aquela gentileza. No entanto, se eu falar com apenas um garoto mensageiro ou um atendente comum, verei que a capacidade deles é muito limitada. No nosso mundo espiritual, quando se vai até um Mestre espiritual descobre-se que a capacidade dele é ilimitada. Ele é como o dono da loja. Ele sabe o que tem, sabe onde está e pode dar qual-quer coisa para qualquer pessoa. Mas um médium é apenas como um atendente ou mensageiro. Ele tem muito pouco poder para dar a você o que você deseja.

Quando um Mestre espiritual traz ou leva uma mensagem, ele entra na alma da pessoa que está pedindo o favor, pois a alma sa-berá onde a alma do seu familiar estará naquele momento. A men-te dela não sabe, o coração dela não sabe, o vital dela não sabe, o seu corpo dela não sabe, para onde foi a alma da pessoa querida. No entanto a alma dela sabe. Todavia, os Mestres espirituais nor-malmente não gostam de trazer esse tipo de mensagem, pois sen-tem que é apenas curiosidade.

Caso uma pessoa tenha um clamor interior sincero ao invés de simples curiosidade, ela não precisa procurar uma outra pessoa, se quiser enviar uma mensagem a um amigo ou familiar falecido. A sua oração sincera é infinitamente mais precisa e segura do que utilizar outra pessoa como mensageira. Se ela oferecer a mensagem a Deus, com o seu coração de oração e meditação, Deus poderá facilmente levar a mensagem até o destinatário. O coração que bus-ca orar, imediatamente se torna um com a Compaixão de Deus. O coração que busca meditar, imediatamente se torna um com a Luz de Deus. Se contatarmos a Luz de Deus e a Compaixão de Deus, então com certeza a nossa oração e a nossa meditação irão alcançar a pessoa certa.

E como saberemos se a pessoa recebeu ou não a nossa mensagem? Precisamos ter fé. Buscamos um médium porque temos fé nele. Buscamos um Mestre espiritual porque temos fé nele. Por que não deveríamos ter fé em nossa própria oração? Se não tivermos fé no médium, mesmo que a mensagem esteja correta, não iremos acre-ditar. Se não tivermos fé no Mestre, mesmo que ele faça tudo diante de nós, diremos que é alucinação. Se tivermos fé na nossa própria oração, esta terá a capacidade de se tornar uma criança pura que amorosamente correrá em direção ao Pai para receber alguma coisa. No instante em que o Pai vê que o Seu filho veio até Ele correndo, com tanto amor e fé, o Pai imediatamente lhe dará tudo.

Se não pudermos orar ou meditar, se não quisermos um Mestre espiritual e tivermos muito pouca ou nenhuma fé em um médium, ainda existe uma maneira viável de enviar mensagens para os nossos entes queridos que faleceram. Listaremos sete incidentes em nossa vida que tiveram relação com aquela pessoa. Os acontecimentos devem ter sido muito íntimos e sublimes, algo que ainda viva em nosso coração. Quando tivermos listado os sete incidentes, que deverão ser os mais íntimos e sublimes, deveremos colocá-los um a um diante de nós. Tomaremos então cada acontecimento individualmente e penetraremos nele com o nosso presente interesse e alento. Cada acontecimento será como um minúsculo ponto. Quando entrarmos nele com o nosso alento-vida, veremos que o ponto se tornará um grande círculo. A intensidade, a capacidade do nosso alento-vida imediatamente o tornará maior. Então o alento-vida daquela realidade irá entrar na realidade universal e se tornará um com ela. Quando vermos claramente que essa é a realidade universal, o rosto da pessoa em sua forma física sutil estará destinado a aparecer. Se nós formos pessoas comuns, não seremos capazes de tocar aquele físico sutil; se formos pessoas espirituais, aquele físico sutil será palpável, sólido.

Nesse ponto, deveremos ser bastante práticos. Precisamos ter con-fiança no mundo que estará bem à nossa frente. Ao olhar para a realidade universal e ver o rosto da pessoa, seremos capazes de oferecer a nossa mensagem. Deveremos sentir no entanto, que aqueles momentos íntimos são os únicos momentos que existiram entre nós e a pessoa amada. Caso alguma perturbação ou ação que não nos agradou, entrar no nosso sentimento por aquela pessoa, imediatamente a tentativa estará arruinada. Deveremos ter o senti-mento de que estaríamos dispostos a dar a nossa vida por ela, e que ela estaria disposta a dar a sua vida por nós. Quando puder-mos sentir que estamos prontos a dar nossas vidas um pelo outro, seremos capazes de nos tornarmos conscientemente unos com a vida da pessoa e oferecer ou receber uma mensagem.

Pergunta: Caso alguém tente entrar em contato com outra pessoa que já partiu desse mundo, como poderá ter certeza de ter contatado aque-la alma e não um espírito maligno?

Sri Chinmoy: Precisamos saber com que tipo de alma estamos lidando. Se a pessoa que deixou o corpo não é uma alma muito evoluída, poderão muitas vezes haver dificuldades, quando tentarmos contatá-la. É bastante comum que seres destrutivos tomem formas belas e luminosas do mundo vital e assim apareçam como nossos familiares.

Se quiser saber se é realmente o seu familiar ou se é outro ser, o que deveria fazer? Você deveria orar a Deus com todo o seu coração e alma para trazer à tona toda a sua pureza. Então, quando sentir que trouxe toda a sua pureza à tona, olhe para os pés – e não para o rosto – daquele ser. Se você estiver carregado de pureza, imediatamente qualquer ser maligno desaparecerá. Às vezes eles literal-mente explodem, fazendo um barulho enorme.

Se um Mestre espiritual não for da maior grandeza, às vezes as forças hostis podem tomar a sua forma. Elas aparecerão diante do discípulo e dirão: “Faça isso! Não faça aquilo!” O discípulo atenderá e então tudo sairá errado. Em tais casos, quando o Mestre ainda estiver na Terra, sempre haverá para o discípulo uma maneira de identificação.

Sei de um caso na Índia onde as forças hostis costumavam tomar a forma de um certo Mestre espiritual e pediam aos discípulos que cometessem suicídio. “Se vocês cometerem suicídio eu serei capaz de lhes conceder libertação mais cedo”, elas diziam. E eles tentaram cometer suicídio mesmo após o Mestre ter dito exteriormente que nunca falou aquilo. Essas forças hostis são muito espertas. Fazem todos os tipos de truques maliciosos e destrutivos, mas ao final elas terão de se render ao Poder do Supremo.

Não é possível para um ser humano comum saber se ele contatou a própria pessoa ou aquelas forças ruins, senão pela sua própria consciência. A consciência vem à tona e imediatamente o faz sentir que aquele não é o ser que ele buscava. Uma criança não examina alguém mentalmente; ela não possui essa capacidade. Quando duas pessoas ficam na sua frente, a criança não consegue distinguir qual delas é real e qual delas não é. Mas o seu coração ou consciência a faz sentir que uma pessoa é real e que a outra é irreal.

No caso de uma pessoa comum, a consciência fará com que ela sinta se contatou a pessoa certa ou não. Para uma pessoa espiritual, será mais fácil. E para um Mestre, não levará nem mesmo um segundo para dizer se é o ser correto ou se é um ser não-divino.

Pergunta: Uma pessoa pode emprestar o seu corpo de forma que um espírito possa entrar e falar através daquele corpo?

Sri Chinmoy: É possível. É isso o que os médiuns procuram fazer. Isso costuma ocorrer espontaneamente, principalmente nas crianças. Elas falam com os seus pais e estes notam que elas possuem uma expressão peculiar nas suas faces, uma personalidade diferente, com uma maneira de expressão diferente. A criança estaria então possuída por algum espírito.

Pergunta: Eu tive uma experiência durante a minha infância. Na minha casa todos sempre tocaram piano. Um dia, quando tinha três anos de idade, pedi à empregada que me levasse até o piano e comecei a tocar com ambas as mãos uma melodia que a minha mãe havia tocado na noite anterior – Qual seria a explicação para isso?

Sri Chinmoy: Poderia ser um espírito tocando através de você ou alguma outra coisa. O mais provável é que na vida passada você tenha adquirido maestria no piano e, inesperadamente, a sua intuição trouxe à tona aquela experiência, aquela maestria. É bastante comum que a intuição da criança venha à tona. Uma criança dificilmente faz algo conscientemente. Ela faz tudo intuitivamente. Uma criança fala com Deus todo o tempo, mesmo que não abra a boca. Há uma constante comunhão entre a criança e Deus.

Pergunta: Eu não toquei apenas uma vez; toquei assim muitas vezes. O que isso significa?

Sri Chinmoy: Nesse caso então, foram atos da intuição e não de um espírito. Um espírito não vem com muita frequência até uma criança, pois os deuses que a estão guiando, não permitirão que o faça. Quando um espírito possui alguém, ele geralmente tenta danificar algo.

Pergunta: O que você pensa sobre a cura em relação à espiritualidade?

Sri Chinmoy: Gostaria de dizer algumas palavras, de um ponto de vista espiritu-al, sobre o que eu penso da cura. A cura merece atenção especial e, ao mesmo tempo, estima especial por parte da espiritualidade. Um curandeiro comum trata uma pessoa para obter fama ou apenas porque tem um anseio interior por ajudar a humanidade. No entanto, uma pessoa espiritual cura outra pessoa quando Deus o pede ou quando recebe Sua permissão para fazê-lo.

Quando uma pessoa comum cura, frequentemente ela é afetada pela doença ou enfermidade do paciente. Muitas vezes me deparei com pessoas que curaram outras e elas próprias se tornaram vítimas das enfermidades que foram sanadas nas outras pessoas. Algumas até mesmo falecem por causa da doença a qual curaram nas outras. Mas quando uma pessoa espiritual cura alguém, ela o faz com a luz da alma. Ela entra na pessoa que sofre com a luz de sua alma e a cura sem ficar apegada. Existe um fluxo cósmico contínuo em e através da sua vida, e esse fluxo contínuo de energia cósmica dele entra no paciente. E será como se luz estivesse permeando todo o corpo da pessoa que está sofrendo. Portanto, uma pessoa espiritual cura apenas se ordenada pelo Divino ou quando recebe permissão especial do Divino. Nesse caso, ela se torna completamente um com o sofredor, por intermédio da unicidade de sua alma, e a cura com a luz da sua alma

Pergunta: Qual a relação entre psicografia e os médiuns?

Sri Chinmoy: A espiritualidade verdadeira não se entrega à escrita automática ou coisas desse tipo. Procurar um médium para saber o que acontece no Céu, na Terra ou no mundo vital não é realmente algo espiritual. Espiritualidade significa aspiração constante para ser completamente um com Deus. Espiritualidade representa a nossa unicidade natural com Deus. Espiritualidade verdadeira é algo absolutamente normal e natural. Se alguém está interessado em psicografia e coisas desse tipo, você deve buscar avivar a chama da aspiração que está dentro dela. Caso essa pessoa seja muito próxima e querida, ela poderá ouvi-lo. Tente fazer com que perceba que ela mesma descobriu a verdade e não que você é quem está revelando ou inserindo a verdade nela. Quando alguém sente que descobriu a verdade por conta própria, vinda de seu próprio interior, essa verdade passa a ser normal e natural. Esta noite, durante a sua meditação, gentilmente procure entrar na pessoa e deixá-la sentir que ela mesma repentinamente percebeu a verdade; que a psicografia não é verdadeiramente algo bom, mas que a concentração, a meditação e a contemplação – as quais provêm da aspiração – é que são realmente boas. Dessa maneira você será capaz de levá-la ao caminho certo. Por favor, tente interiormente e não exteriormente.

Pergunta: Do seu ponto de vista, a hipnose é aceitável ou não? Por quê?

Sri Chinmoy: Quando alguém quer realizar a Verdade, a qual é Deus, não há necessidade de hipnose ou auto-hipnose. O que é necessário é paz, felicidade verdadeira e poder. Estas coisas podemos adquirir através da aspiração. Ao levar alguém para o mundo da inconsciência ou para o plano subconsciente através da hipnose, fazendo com que a pessoa torne-se consciente dos seus defeitos, imperfeições e impurezas do passado, não seremos capazes de ajudá-la a alcançar sua derradeira Meta. Contudo, ao trazer do alto as coisas que podem mudar e moldar a vida dela, fazendo-a uma pessoa melhor, poderemos ser de grande ajuda para ela.

Eu tenho discípulos que se entregam à prática da hipnose. Porém, eu digo a eles: “O que vocês querem de si mesmos? O que esperam da outra pessoa? Caso queiram que as outras pessoas fiquem livres da tristeza, da frustração e da preocupação, então mostrem a elas a luz, e não pesem as falhas passadas ou os defeitos que as impedem de expandir as suas consciências libertas.”

Se alguém quiser paz, se alguém quiser satisfação verdadeira, se alguém quiser obter alegria da sua vida, a espiritualidade será a resposta imediata. A espiritualidade parece uma palavra vazia. As pessoas chamam algo de espiritual, quando elas não conseguem entender aquilo com suas mentes físicas. Qualquer coisa que que seja um pouco obscura, elas pensam que é espiritual. No entanto, a espiritualidade não é uma coisa estranha. Ela não é teórica e irre-al, mas sim natural e prática, uma conquista e realização prática. A espiritualidade é algo espontâneo, o traço de união entre a vida interior e a vida exterior. Ela pode solucionar todos os problemas humanos, interiores e exteriores e também aqueles que nem apare-ceram ainda em nossas vidas. A espiritualidade pode solucionar esses problemas antes mesmo que eles se manifestem; ela pode entrar dentro deles e destruí-los.

Eu sinto que a hipnose não tem valor algum. O que possui real valor é a aspiração; trazer paz infinita, felicidade verdadeira e poder para a consciência física através da aspiração constante.

Parte V: O Homem e o Universo

Pergunta: Você acredita que existam pessoas como nós na maioria dos outros planetas? :PROPERTIES: :id: b0065-0074 :genre: qa :cite-key: ASB:69 :END: Sri Chinmoy: Os seres que residem em outros planetas são todos sutis. Embora esses seres possam adquirir qualquer forma, a forma sutil deles se parecerá com a de um ser humano, principalmente quando apare-cerem diante de nós aqui na Terra. Sentiremos os seus corpos sutis como se fossem reais, feitos de carne e osso, mas na verdade não o são. A nossa carne humana é composta de cinco elementos, os quais esses seres não possuem. Se nos os tocarmos, sentiremos como se fossem sólidos. Não é uma alucinação, mas uma realidade absoluta. Porém, a sensação que você teria ao tocar a minha carne seria diferente daquela que sentiria se tocasse o corpo desses seres. A diferença está na percepção.

Pergunta: Você acredita em seres de outros planetas, que vêm para a Terra em discos voadores?

Sri Chinmoy: Sim, eu acredito que existam outros seres que vêm em discos voa-dores. Há muita verdade no que é dito sobre eles, mas não é a verdade completa. Está errado dizer que eles são superiores a nós. São seres completamente diferentes, nada similares aos seres humanos. Eles agem a partir de outro plano, e não têm uma mente normal como nós, o que, no entanto, não significa que eles sejam tolos.

Os seres são luminosos e muito belos. Eles podem se revelar à mente humana na forma que desejarem. Aqui na Terra, tomam forma humana apenas para mostrar que é possível. Mas, caso fôssemos ao mundo deles, veríamos que eles comumente tomam uma forma de flor, pássaro ou anjo.

Existem seres humanos que, conscientemente, vão para outros mundos durante o sono, mesmo que não tenham aspirações espirituais. Porém, essas pessoas não são totalmente humanas. Elas vêm de outros mundos, mas encarnam como humanos apenas para ver o nosso mundo. Uma das minhas discípulas de Nova Iorque é uma dessas pessoas. Quando a abençoo e olho para o seu rosto durante a meditação, percebo imediatamente que ela vem de um mundo espiritual, um mundo de anjos. A sua alma está sintonizada com aquele mundo e ela vai até lá frequentemente. Essas almas de outros mundos, que tomaram forma humana, são encontradas mais frequentemente em Vermont, no Canadá e no Sul da Índia.

A linguagem desses seres, quando não estão em forma humana, é completamente diferente da nossa. Não conseguimos falar com eles em sua própria língua, mas podemos conversar com eles se conhecermos a linguagem da alma, pois esses seres também possuem alma. Eles vêm para cá movidos pela curiosidade de saber com o que a Terra se parece e o que está acontecendo por aqui. É apenas para investigar, e não para buscar ajuda nossa ou benefício algum. Já no nosso caso, queremos evoluir e ir em direção a Deus, buscamos portanto a iluminação. Eles não podem nos ajudar e nós não podemos ajudá-los. Nós temos este mundo material, e ele é auto-suficiente. Os mundos deles também são auto-suficientes. Mas, ao mesmo tempo, eles são como mendicantes, porque naqueles mundos eles não obtém realização em Deus.

Caso um ser de outro mundo queira alcançar a realização em Deus, a auto-descoberta, ele deverá adquirir um corpo humano, ao passo que nós não precisamos de nenhuma outra forma para realizarmos Deus. É a vantagem que nós temos. Apesar de aqui estarmos cheios de sofrimento, limitação e ignorância, este mundo físico oferece a possibilidade única de se realizar o Supremo. Seres de todos os outros lugares devem vir para este mundo se quiserem realizar Deus. Deus está disponível apenas aqui. Com a realização em Deus você pode ir a qualquer lugar; Deus está em todo lugar. No entanto, a realização plena você deve obter aqui, neste planeta Terra, e em nenhum outro lugar.

Pergunta: O homem é único no universo?

Sri Chinmoy: Em todo o universo, em toda a criação de Deus, o homem é único, porque próximo ao homem reside a completa perfeição, a consciência completamente reveladora. O homem é único, pois tem o potencial absoluto de realizar Deus. E quem poderá ser superior a nós, quando realizamos Deus?

Existem milhares de deuses cósmicos. Se eu estiver com dor de cabeça e orar para um certo deus cósmico, aquele Deus levará em-bora minha dor de cabeça. Se estiver com dor de estômago, terei de rezar para um deus diferente. No entanto, esses deuses não são superiores a mim. São todos entidades sobrenaturais no mundo vital, cujas capacidades são maiores do que a dos homens comuns. Eles são tipicamente bondosos, todavia são todos produtos acabados. Não fazem progresso porque não procuram entrar neste mundo para a transformação de suas naturezas.

Pergunta: Então eles não podem se tornar Deus, não podem alcançar Deus?

Sri Chinmoy: Não, eles não podem. Naquele mundo, eles estão parados em um ponto. Eles devem vir em um corpo humano e aceitar a vida humana como nós, com as suas limitações, sofrimento, supressão e humilhação se quiserem evoluir.

Pergunta: Isso significa que nós somos mais evoluídos do que eles?

Sri Chinmoy: Sim, somos mais evoluídos no âmbito da nossa aspiração em direção à Realização em Deus. Mas, ao mesmo tempo, eles residem em um mundo de alegria e esplêndido deleite, o qual nós não possuímos. A nossa alegria é muito limitada. É comum que o que chamamos aqui de alegria seja apenas prazer. O fato é que eles são mais felizes, mas felicidade não é Realização em Deus.

Existem alguns deuses cósmicos que, por causa de inveja, tentam impedir os seres humanos de irem além do que os deuses alcançaram e obterem a realização, pois os seres humanos podem alcançar a realização plena, enquanto que os deuses cósmicos possuem apenas uma consciência limitada. A maior parte das personalidades espirituais que alcançaram a realização dizem que, no início, os deuses cósmicos os auxiliaram em seu progresso espiritual. Mas, quando tentaram ir além do domínio das divindades cósmicas, encontraram resistência veemente vinda daqueles mesmos deuses. Porém, se o aspirante for muito, muito poderoso e agir com muita, muita intensidade, a Graça do Supremo descerá e o aspirante se tornará capaz de ir além dos deuses menores. Não deve-mos dar muita importância aos deuses cósmicos, ou anjos, como os chamamos no ocidente. Devemos ir além deles. Eles não são seres humanos e o seu processo de vida é diferente do nosso.

Às vezes os deuses são amaldiçoados pelos aspirantes e têm de aceitar uma encarnação humana. A ira está sempre presente, no homem como também nos deuses. Quando os deuses ficam ira-dos com um aspirante, eles amaldiçoarão a família dele. Caso o aspirante seja muito forte, ele irá refutar a maldição. O deus então, terá de vir ao mundo humano e passar por sofrimento. Essas coi-sas realmente acontecem, mesmo nos elevados mundos dos deuses cósmicos.

Pergunta: A ciência algum dia descobrirá a alma?

Sri Chinmoy: A ciência nunca, nunca irá descobrir a alma. Isso não é possível, porque a alma vem de uma região muito além do domínio da ciência. A alma pode apenas ser realizada por via da identificação ou unicidade com o Absoluto. Essa unicidade se refere a um plano de consciência. Mas a ciência não lida com planos de consciência, lida apenas com fatos que observa no mundo físico. A consciência é algo do qual a ciência não está se aproximando e não é capaz de se aproximar.

A ciência pode até investigar certos fenômenos espirituais. Alguns Yogis podem cessar a respiração e permanecer enterrados por horas e dias sem que o coração bata. É possívelcessar conscientemente a respiração e o batimento cardíaco, no entanto a ciência não consegue acreditar nisso. Ela diz: "Como pode alguém viver sem batimentos cardíacos?"

Existem muitas coisas que a ciência pode descobrir, muitas mara-vilhas, mas ela não pode ir além do alcance dos sentidos. Além do alcance dos sentidos existem planos de consciência onde se pode ver a alma brincando, correndo, dançando e fazendo muitas outras coisas. Se uma pessoa espiritual assim quiser, poderá facilmente ver a alma de qualquer pessoa. Muitas coisas não são visíveis no plano exterior, e no entanto são absolutamente reais. Se você mesmo tiver visto a sua alma ou o ser psíquico, como poderá a ciência negar isto? Gostamos da ciência porque ela descobriu muitas, muitas coisas. Mas não podemos negar as coisas que as pessoas espirituais descobriram e que fizeram com que outros também vissem.

Pergunta: Você acha que Deus irá auxiliar as mãos dos médicos que estão fazendo transplantes de corações de pessoas mortas para pessoas doentes? Você sente que essa será uma prática comum no futuro?

Sri Chinmoy: I wish to say that God is helping everyone on earth. Why only through transplantation? When we are in ignorance, God is helping us; when we are in wisdom, God is helping us. When we do something wrong or we see others do wrong, you may say that God does not help at that time. But even then sometimes there is protection. We are not punished all at once.

O mundo está evoluindo constantemente. O médico está, nesse momento, tentando conquistar a morte. O cientista está tentando conquistar a morte. O aspirante espiritual está tentando conquistar a morte. Estamos atacando a morte por todos os lados. Quando a tivermos conquistado, nos tornaremos imortais. Porém, do ponto de vista rigorosamente espiritual, eu gostaria de dizer que a imortalidade virá através da aspiração e não de transplantes. Quando a alma encarna em um corpo humano, ela traz o seu próprio coração, a sua própria mente, o seu próprio vital e o seu próprio físico. Ao substituir algo, estaremos introduzindo um elemento estranho. Nada que venha de outro lugar será meu, minha posse. Mas, usando de elementos estranhos, os cientistas descobriram que podem prolongar a vida por cinco, dez ou mesmo vinte anos.

O que estamos fazendo com os transplantes de coração não é, até certo ponto, muito natural. Isso nos permite atrasar a morte, prolongar a vida, mas não permitirá que imortalizemos a nossa existência física. Para alcançarmos a imortalidade precisaremos ter um corpo diferente, uma consciência diferente, e uma luz diferente.

A ciência médica está tentando conquistar a morte, mas a imortalidade física chegará apenas através da aspiração e da Vontade consciente de Deus. Se você sente que a ciência médica irá por fim vencer a morte, eu devo dizer que está enganado. A morte será conquista-da quando cada indivíduo, algum dia, possuir uma consciência diferente, e essa consciência virá apenas após a libertação e a auto-realização. Teremos então um corpo diferente, um corpo diviniza-do, um corpo transformado.

Chegará o dia em que uma ordem diferente de seres habitará a Terra. Eles não terão os mesmos órgãos que temos agora e nem possuirão tantos órgãos. Será uma raça completamente diferente. Eles não estarão limitados de forma alguma pela consciência-corpo. O corpo será mais sutil, e não necessitará de todas as funções in-ternas e órgãos que temos agora. Será um corpo divino – muito luminoso, muito belo, muito forte e muito poderoso. Ele será adaptável também. Caso algo seja arremessado contra ele, como uma flecha, o corpo terá o poder de repelir o objeto sem que este se aproxime. E, caso ele se aproxime, atravessará o corpo sem cau-sar danos. O corpo terá muitas capacidades que não possui agora.

Não haverá diferenciação de sexos, nem necessidade de reprodução e acasalamento entre macho e fêmea. Todas as almas encarnarão de forma sobrenatural. A união ocorrerá no mundo psíquico, e, a partir deste mundo psíquico, as almas adquirirão um corpo. Elas não nascerão por via do corpo materno. As almas serão capazes de chamar outras almas para que encarnem, quando quiserem. No entanto, a hora para tudo isso ainda não chegou, e levará um longo tempo até que chegue.

Pergunta: O que acontece quando o coração de uma mulher é trans-plantado para o corpo de um homem?

Sri Chinmoy: Quando nascemos, herdamos o arranjo constitucional de ambos, pai e mãe. Por exemplo, podemos ter um corpo apático ou talvez altamente nervoso. O corpo tem o seu próprio ritmo, e o coração faz parte desse ritmo. Se o coração de uma menina jovem, que seja bastante leve e dinâmica, fosse transplantado para um homem bastante pesado e letárgico, por exemplo, o corpo dele teria uma tendência a rejeitá-lo. Os médicos sabem que as células físicas do corpo de alguém não tolerarão qualquer substância que seja estra-nha e imediatamente rejeitarão qualquer órgão estranho. Eles nos dizem que os órgãos físicos somente de um parente muito próxi-mo, que tem os mesmos genes, a mesma constituição celular, serão tolerados. E, portanto, no caso do transplante de coração que eu mencionei, o corpo do homem não o veria como compatível; o teria como um elemento estranho e o lançaria fora. Sendo o coração o órgão físico da vida, é muito importante que ele seja do mesmo arranjo físico que o resto do corpo.

Isso nos traz mais um tópico. O coração é a sede das emoções. Sempre identificamos os nossos sentimentos mais profundos com o coração. Dizemos: "Eu o amo de todo coração." Mesmo que o coração físico seja apenas um órgão, as emoções – o que chamamos de natureza emocional ou vital – habitam invisivelmente nessa área cardíaca. Essa natureza vital de fato reside no centro do peito, mas não no próprio coração físico. Mesmo assim, quando o coração de uma pessoa é transplantado para o corpo de uma outra, ocorrerá certa confusão emocional e desorientação.

Em verdade, não sou a favor de transplantes de coração, pois im-pedem o fluxo espontâneo da energia-vida. O envoltório físico, que é composto de cinco elementos, também sente o transplante como uma intrusão tangível de um elemento estranho, de uma maneira sutil, a qual a ciência médica ainda não compreende. Ela pode prolongar a vida de alguém através de um transplante cardíaco, mas uma mera extensão da vida não é de valia quando a aspiração interior pela perfeição do próprio corpo está ausente. Um verdadeiro aspirante não será capaz de aspirar por um objetivo mais elevado com os potenciais e capacidades de um coração diferente.

Pergunta: Eu gostaria de saber como estão relacionadas as almas de gêmeos idênticos, ou se simplesmente não possuem relação alguma.

Sri Chinmoy: É uma pergunta muito interessante! Não há uma regra certa. Geralmente eles não são íntimos no mundo das almas. Às vezes, as almas possuem alguma relação, mas não devido a alguma conexão íntima em encarnações passadas. Elas podem vir para punir uma à outra. No campo da manifestação, os gêmeos não fazem ideia de que isso seja verdade; podem até mesmo se tornarem amigos. Mas, na região das almas, as almas de gêmeos não são de forma alguma complementares. Elas dizem: “Se você entrar para essa família, eu também irei à mesma – e não em um momento diferente, mas ao mesmo tempo. Então testarei a sua capacidade.” Muitas vezes vi que esse era o motivo interior. Mas, quando os pais demonstram infinito amor e afeição aos gêmeos, as almas deles ficam com um tipo de desejo espontâneo de serem amáveis ou de terem uma causa em comum, um destino em comum. Porém essas coisas – a meta em comum, a realização em comum, a satisfação em comum – nunca ocorreram a elas quando estavam na região das almas. Aqui eu devo dar crédito aos pais, pois eles mudaram consideravelmente as naturezas dos seus filhos. Estes, por fim terão uma vida melhor, um melhor entendimento e melhor satisfação e progresso.

Pergunta: Guru, é possível encontrar a alma gêmea mais tarde na vida? Certas pessoas possuem almas companheiras?

Sri Chinmoy: Almas companheiras e almas gêmeas não são a mesma coisa. Uma alma companheira é aquela com a qual você possui uma íntima afinidade de alma. Você agora vive em Hartford, mas em Nova Iorque pode haver alguém que é o amigo mais íntimo da sua alma. Quando me concentro em vocês, vejo que muitos possuem afinidade de alma uns com os outros.

Vejo também que em Porto Rico alguns possuem afinidade de alma com pessoas que estão aqui. Se forem até lá, ficarão surpresos em ver o que acontecerá. Mesmo que nunca os tenham visto, no momento em que ficarem diante deles, sentirão que são muito afins. Isso acontece porque estiveram juntos por muitas, muitas vidas. Isso se chama afinidade de alma.

Almas gêmeas são aquelas que compartilham o mesmo tipo de capacidades, e têm o mesmo tipo de experiências juntas. Almas companheiras normalmente são complementares e compartilham uma com a outra uma variedade de experiências, apesar de que cada alma recebe essas experiências de acordo com a forma e padrão de sua consciência interior, luz interior e da percepção interior de manifestação no plano-Terra.

Pergunta: Da maneira que vejo, existem algumas formas que não são na verdade almas de pessoas, mas apenas formas no mundo astral. Você poderia explicar que tipo de consciência as formas sem alma do mundo astral possuem?

Sri Chinmoy: A consciência é toda-permeante. Consciência você tem, eu tenho, todos temos. Consciência é a luz que incorpora a própria vida. Luz e vida, vida e luz constituem consciência. Mas, no corpo astral, a vida que a consciência possui não opera ou toma parte no mundo físico. Quando a consciência está funcionando em um plano particular, ela deve se ajustar àquele plano. A consciência que sentimos ou vemos no plano astral não é muito satisfatória quando quere-mos satisfazer as demandas necessárias do mundo exterior.

Pergunta: Existe tanta realidade em viagens astrais quanto na meditação?

Sri Chinmoy: Meditação, sendo verdadeira meditação, transcende todo o tipo de viagem astral. A verdadeira meditação significa unicidade consciente com o Absoluto. Quando possuímos unicidade consciente com o Absoluto, não precisamos viajar a lugar algum, porque o Onisciente e o Onipotente estão dentro de nós. A mais elevada meditação irá nos oferecer a Onipresença de Deus. E, enquanto estamos na Onipresença Dele, não há necessidade de viagem astral, pois o universo inteiro está dentro de nós. Isso é o que a meditação de fato nos traz.

Pergunta: Você já ouviu falar sobre Cientologia? É o que se pode cha-mar de um tipo de psicologia espiritual, onde as pessoas tentam trazer para fora, supostos aspectos negativos e se livrar deles, resultando ao final no que chamam de uma pessoa ‘limpa’, uma pessoa livre de todos os defeitos pessoais.

Sri Chinmoy: Sempre dizemos que é necessário se esvaziar. Se você tiver um recipiente que não esteja cheio de consciência elevada, ele deverá ser esvaziado. Somente então, a sua consciência mais elevada poderá preencher o recipiente.

Pensamentos negativos e qualidades não-divinas de nossa natureza: estamos sempre lidando com essas coisas na nossa vida espiritual. Porém, ao lidar constantemente com as forças negativas, com as qualidades obscuras presentes em nós, não poderemos correr em direção à luz. Se o recipiente estiver cheio de sujeira, teremos de esvaziá-lo, e só então poderemos preenchê-lo com coisas divinas.

O pequeno recipiente que temos dentro de nós deve ser mantido puro e vazio, para que todos os dias possamos preenchê-lo com luz. Mas, se constantemente cavarmos a terra sem dar atenção ao preenchimento com luz, o que acontecerá? Após cavarmos a vasta quantidade de sujeira que temos em nossa mente consciente, entra-remos no campo do subconsciente e então na inconsciência. Por fim veremos o que éramos a três ou quatro mil anos atrás: um animal, uma mera árvore ou mesmo um pedaço de rocha sólida. E que benefício obteremos fazendo isso? Se quisermos ir à fonte das nossas ideias e atividades malignas, obscuras e corruptas, acabare-mos na própria fonte da destruição ou imperfeição. Devemos ter muito cuidado com isso.

Eu posso não conhecer o termo ‘Cientologia’, porém, pela sua explicação sobre ele, eu penso que a espiritualidade o abrange. Isso quer dizer que, se você dá importância à aspiração, o que deve ser rejeitado será automaticamente rejeitado, e o que deve ser transformado será transformado.

Pergunta (sobre o mês de setembro de 1972, que foi um período de enorme perturbação no mundo interior): Não seria mais fácil para você se algumas das coisas que estão acontecendo no mundo interior se manifestassem no plano exterior, de modo que você não precisaria lidar com tudo no mundo interior, sozinho?

Sri Chinmoy: Não, seria pior. Se elas se manifestassem na Terra, seria muito, muito assustador. Essa força de morte está pairando sobre nós, arrebatando aqui e acolá. E quem será o próximo? É como um elefante enlouquecido. Um elefante enlouquecido perambula indiscriminadamente. Não sabe o que esmagar e nem a quem matar primeiro. As forças deste mês de setembro são assim. São muito malvadas.

Eu estou muito feliz por não termos perdido ninguém no mês de setembro 1 Foi realmente o pior dos meses. Às vezes eu literalmente choro quando ando pela rua, dizendo: “Ó Deus, por que Você criou este mês em particular?”

2 1972


  1. 1

  2. 1

Pergunta: E por que Ele o fez, Guru?

Sri Chinmoy: Estava decidido há muitos, muitos anos atrás. Isso foi deliberado há centenas de anos.

Pergunta: As forças de morte levam qualquer um a qualquer hora, mesmo que não seja o destino delas morrer naquele momento?

Sri Chinmoy: Não, a lei cósmica opera. Se não for a sua hora, elas não irão capturá-lo. Mas este é um mês especial: setembro de 1972. Neste mês, é como se a luz tivesse faltado; um blecaute espiritual. Quando há um pouco de luz, as forças negras, hostis, têm medo de serem pegas. Mas, quando há escuridão total, esses sujeitos perversos podem fazer o que bem entenderem. Este setembro, em particular, é justamente assim. Tudo está escuro e eles podem fazer tudo o que quiserem.

Traduções desta página: Italian , Czech , Russian , German
Este livro pode ser citado usando a cite-key asb